Uma toalha em volta da cintura

“Um pouco antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que havia chegado o tempo em que deixaria este mundo e iria para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. Estava sendo servido o jantar, e o diabo já havia induzido Judas Iscariotes, filho de Simão, a trair Jesus. Jesus sabia que o Pai havia colocado todas as coisas debaixo do seu poder, e que viera de Deus e estava voltando para Deus; assim, levantou-se da mesa, tirou sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura.”
(João 13.1-4)

Com uma toalha em volta da cintura foi como Jesus escolheu vestir-se para as cenas finais de seu ministério terreno. Uma toalha em volta da cintura não é um ornamento que alguém use para receber homenagens e honras. Ao contrário, indica serviço.  Não costumamos perguntar o nome de quem está nesses trajes. Uma toalha em volta da cintura é símbolo de pequenez, de desimportância, de humildade. Quem quer receber atenção e olhares de admiração não coloca uma toalha em volta da cintura. Faz isso quem quer dedicar atenção, quem está disposto a olhar para ver o que o outro precisa. Quem está disposto a servir.

Vivemos numa sociedade que impõe toalhas em volta da cintura a muitos, negando-lhes as condições para outros trajes. Por isso a toalha em volta da cintura representa um lugar de onde todos querem sair. A injustiça, a desigualdade, o “azar de ter nascido no lugar errado”, na família errada, com a pele da cor errada, no bairro errado… impõem toalhas em volta da cintura. Jesus escolheu e livremente colocou uma toalha em volta da cintura.

Se no reino dos homens o caminho é encontrar uma forma de livrar-se da toalha em volta da cintura, no Reino de Deus, segundo o Evangelho de Jesus, o caminho é livre para espontaneamente buscar a toalha para coloca-la em volta da cintura, como fez Jesus. Somos chamados por Aquele que é o maior de todos, o Senhor dos senhores e Rei dos reis, a escolher a toalha. Ele não apenas nos disse para fazermos isso, mas nos deu o exemplo. Servir foi algo tão marcante nas atitudes e ensino de Jesus e tem sido algo ausente em nossa sociedade e mesmo em nossas igrejas. O Reino de Deus é mesmo antagônico ao dos homens. Por isso tem sido chamado de “o Reino de Ponta-Cabeça”. Quando seguimos o caminho do Reino de Deus pode ser que sigamos com a minoria e soframos incompreensões.

Quando permitimos que sentimentos de grandeza, orgulho, presunção vaidade ou egoísmo nos habitem, desviamo-nos completamente do Evangelho e do seguimento a Cristo. O serviço é nosso lugar de proteção e aprendizado. Servindo aprendemos a amar e praticamos a fé. É por meio do serviço que colocamos a graça que nos alcançou em operação. O serviço revela o valor da graça. Olhe para si? O que você vê? Há uma toalha em volta de sua cintura? Suas atitudes são as de quem escolheu a toalha? Não se trata apenas de ocupar-se com uma tarefa, mas de ser humilde, respeitar e amar o outro e assim servir. Servir não nos salva. Somos salvos pela graça. Mas se fomos salvos pela graça, servir fará parte de nossas ambições.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui