Um aniversário especial

Neste 9 de maio, o município de Teixeira de Freitas completará um ano a mais de emancipação política, fato histórico que remonta a 1985 com a autonomia deste que é um dos mais prósperos aglomerados humanos do Estado da Bahia, pelo labor do seu povo, sua localização estratégica e, igualmente, fruto das potencialidades edafoclimáticas reinantes no seu meio.

Imagine-se o sentimento de quem o tem vivenciado desde o final dos anos 60 do século passado, por havê-lo conhecido em seus primórdios anteriores à implantação da BR-101, nos idos de 1970, e, ainda hoje, preserva na memória o esforço e a dedicação de quantos trabalharam pelo seu passado, em campos diversos da atividade humana, e assiste os tempos atuais com o orgulho do seu progresso , ao lado da preocupação de muitos pelos novos tempos e desafios.

No Sollo e demais mídias estão registrados acontecimentos da vida econômica, política e social de Teixeira de Freitas, bem como da própria região Extremo Sul em que se localiza e de outras regiões. Assim, analisam, criticam suas realidades e apontam suas contribuições através das visões dos diversos setores da mídia que vêm nestas partes da Bahia segmentos territoriais que crescem muito mais pela força do empresariado e do seu povo ainda carente de um apoio expressivo das autoridades governantes e de seus representantes, para o seu desenvolvimento.

Em Teixeira de Freitas habitam milhares de pessoas, além de outros visitantes que quando a conhecem dela não se afastam porque há vida pulsante, economia dinâmica e potencialidades inegáveis para um belo futuro que se anseia de cidade organizada, oferta de bons serviços, qualidade de vida, oportunidades de trabalho e lazer. Mas, também, coexistem problemas, mazelas, marginalidade, violência, que requerem pulso forte, disciplina e capacidade de reagir pela reconstrução social, aqui percebida pela superação dos níveis negativos que impedem o seu desenvolvimento.

Alcançada mais que sua maioridade, vez que agora com 27 anos de emancipação, qual ou quais presentes a mãe Teixeira gostaria de receber dos filhos e afilhados, no caminho inevitável da sua maturidade?

Uma mãe, todos sabem e reconhecem, é o retrato da doação plena, do acendrado amor pelos filhos e, assim, é muito mais amparar, despojar-se de si e fazer a felicidade da família!

Em trechos da Oração da Paz, de São Francisco de Assis, encontram-se caminhos significativos os quais, além de oportunos, são aplicáveis à matéria aqui exposta: “Onde houver Discórdia, que eu leve a União,… Onde houver Trevas, que eu leve a Luz!”.

Ah, mãe Teixeira de Freitas, no seu aniversário, como seria apropriado um presente que superasse a Discórdia e troussesse para você a União com muita Luz . Quem sabe, assim, o futuro soasse menos temeroso porque, com um um planejamento assestado na sua realidade e uma visão de futuro sustentado, pode-se conceber bem melhor o seu amanhã, tornando finalmente concreta a utopia dos seus filhos por dias melhores, realizando-se em parte tudo aquilo que os teixerenses teimam, angustiosamente, em sonhar: educação, saúde, segurança, trabalho e formação de renda. Cabe lembrar: espíritos fortes não temem crises e, ao contrário, as enfrentam com a disposição e crença dos vencedores. É só tentar!

Essa mãe, no seu aniversario – por experiência própria – aguarda o presente especial, aquele que se constitui um dos elementos maiores/principais da cidadania: a sábia escolha dos seus futuros administradores, coincidentemente neste ano de 2012, para que ela volte a ter o sorriso carinhoso, aberto e luminoso que, na atualidade, lhes é negado.

Reflita-se então profundamente sobre o futuro teixeirense, pois, como bem afirma o Dr. Paulo Américo, competente e ilustre advogado dela partícipe, “Teixeira precisa recuperar o seu glamour!”.

Ao encerrar aqui esta pretensa homenagem, sabidamente pequena, porque você é merecedora de muito mais, quem sabe não seria melhor você, dadivosa como todas as mães, não preferisse abrir mão de homenagens e, ao contrário, passasse a ofertar à sua gente, no seu aniversário, um pouco do pensamento do poeta Antônio Gonçalves Dias, extraído do seu poema Canção do Tamoio:

“Não chores meu filho;

Não chores que a vida

É luta renhida:

Viver é lutar.

A vida é combate,

Que os fracos abate,

Que os fortes, os bravos,

Só pode exaltar.”

À Teixeira de Freitas e ao seu povo amigo, hospitaleiro e laborioso, os parabéns por seu aniversário, na certeza de que o seu amanhã será portentoso, pelas decisões tomadas diariamente na direção certa do seu desenvolvimento – causa abraçada por muitos na esperança de dias melhores.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui