Toda história tem (no mínimo) dois lados!

“Quem fala primeiro no tribunal parece ter razão, até que seu oponente comece a lhe fazer perguntas.” (Provérbios 18.17)

Para alguns que ouvirão ou lerão essa devocional, especialmente os que fazem parte da igreja a que sirvo como pastor, não tenho dúvida, entenderão minhas palavras mais profundamente. Todavia, o que desejo é salientar uma sabedoria presente no livro de nossa fé e que ajuda grandemente em nossa maturidade. Afinal, não faz sentido fé sem maturidade!

A imaturidade persistente num cristão é sinal de uma deficiência em sua fé. De que tipo: revela uma fé que tem crido no que, de fato, não é verdade cristã. Talvez apenas religiosa, fruto de elocubrações humanas e pouco ou nada fundamentadas no Evangelho de Jesus, embora podendo ser justificada com textos bíblicos. A Bíblia pode ser usada, em lugar de compreendida. Se Jesus e o Evangelho que ele anunciou não liderarem nossa interpretação bíblica, criaremos verdades pretensamente espirituais e cristãs que gerarão pessoas imaturas e intelectualmente indispostas.

Mas, voltemos ao tema: toda verdade tem (no mínimo), dois lados! Seja num desentendimento entre amigos, cônjuges ou familiares, é preciso sempre lembrar essa verdade. Frequentemente são lados complementares. Há razão e equívoco nos dois lados. Mas há também situações em que um dos lados está sendo malicioso. Neste caso há a vítima e o algoz. Mas é preciso ouvir os dois lados para se discernir isto. Apressar-se em acusar ou defender, aderir a um dos lados precipitadamente, poderá nos levar a incorrer em grave erro e injustiça.

Como cristãos, essa sabedoria é básica e indispensável pelo simples fato de que o mandamento superior de nossa fé é o amor. E o amor não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade. O amor sempre nos encaminha para a busca cuidadosa da verdade. Apressar-se na defesa é falta de sabedoria. Apressar-se na acusação é falta de sabedoria e de amor. Revelamo-nos insensatos e imaturos, se assim agimos. Falhamos no amor quando não agimos segundo os princípios do amor. Mas há ainda uma outra questão.
Um cristão, como aquele que ama o próximo, diante de acusações ou conflitos, além de buscar o discernimento da verdade, trabalha pelo acolhimento e redenção do faltoso ou culpado. O que não significa não responsabiliza-lo ou que as consequências não virão. Todavia, jamais pode faltar o amor e em hipótese alguma, haver crueldade. Afinal, toda história tem dois lados e, como bem afirma o provérbio, quem fala primeiro sempre parece ter razão até que seu oponente tenha a palavra.

Como cristãos devemos amadurecer e aprender a lidar com conflitos. Devemos manter em mente que, para conhecermos a verdade, será preciso, no mínimo, a atitude de ouvir os dois lados.

Neste mundo somos todos inocentes circunstanciais, o que significa que, nenhum de nós é um anjo, alguém isento de qualquer falha. Isso deveria nos fazer mais lentos em julgar, mais misericordiosos ao tratar faltas e menos vorazes em fazer justiça. Que aprendamos com Deus, que, sendo Santo sobre todos os santos e sabendo toda a verdade, sempre age com notável paciência, bondade, misericórdia e amor. Que aprendamos com Deus!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui