Suzano participa de encontro sobre meliponicultura em Salvador

O encontro reuniu representantes do sistema produtivo para discutir ações e tecnologias visando fortalecer na região a atividade de criação de abelhas sem ferrão. Foto Divulgação

Com o tema “Organizar para Fortalecer”, foi realizado nos dias 7, 8 e 9 de agosto, o II Encontro Baiano de Meliponicultura, em Itapuã, Salvador (BA). O evento reuniu representantes do sistema produtivo para discutir ações e tecnologias, tendo em vista a preservação ambiental, organização social, gestão e mercado, visando o fortalecimento da atividade de criação de abelhas sem ferrão (meliponicultura) na região. Sete profissionais ligados aos projetos da Suzano – entre empregados, representantes de comunidade e de empresas parceiras – participaram do encontro e devem atuar como multiplicadores de conhecimento em suas bases de atuação.

Considerado o maior evento específico sobre meliponicultura no país, o encontro foi promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), e pela Federação Baiana de Apicultura e de Meliponicultura (Febamel).

A Suzano participa do encontro como membro da Câmara Setorial da Apicultura, cadeira conquistada em 2018. “Nossa participação na Câmara Setorial da Apicultura, órgão ligado à Secretaria de Agricultura do Estado da Bahia que é responsável por tratar das políticas públicas relacionadas à atividade apícola, demonstra a importância da Suzano como parceira desse importante segmento. Nossa parceria se dá com as associações de apicultores, por meio da sessão do pasto apícola, além de investimentos em infraestrutura, equipamentos, apoio técnico e tecnologias. São ações que proporcionam às comunidades locais empoderamento, desenvolvimento social e, sobretudo, conhecimento”, destaca Uelio Soares, analista de Desenvolvimento Social da Suzano.

Agricultores familiares de diversos municípios da Bahia, Alagoas, Sergipe, Piauí, Ceará, Espírito Santo, São Paulo, Amazonas, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul também prestigiaram o II Encontro Baiano de Meliponicultura. A programação contou com conferências, minicursos, palestras, painéis temáticos, aula-show e clínica tecnológica. Na ocasião também aconteceu o Concurso de Mel de Abelhas sem Ferrão e apresentação de trabalhos científicos, além de reunião da Câmara Setorial de Apicultura e de Meliponicultura e do Comitê de Sanidade das Abelhas.

O mel de abelhas sem ferrão é mais líquido e tem maior valor agregado que o tradicional mel de abelhas, sendo muito utilizado na indústria farmacêutica e na gastronomia, por exemplo. As espécies, como a Jataí e a Manda-saia, podem ser criadas em quintais, por não oferecerem riscos.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui