Sobre o que já ouvimos

” Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’.” (Mateus 5.43)

Quantas coisas já não ouvimos ao longo da vida!!! Especialmente nós, cristãos e religiosos que frequentamos o templo a cada semana. Quantas conversas em pequenos grupos, quantos coisas “ouvimos” em nossas leituras! Quantos sermões, lições de Escola Bíblica e estudos bíblicos. E tudo isso, de alguma forma, modela nossa vida. Modela-nos o caráter e inspira o temperamento. Embora não seja a única influência, é uma as importantes, porque reveste-se do sagrado, do divino. As pessoas que estavam ouvindo Jesus enquanto Ele proferia o seu ensino, o Sermão do Monte, também haviam ouvido coisas. Eles deveriam amar os amigos e odiar os inimigos. Eles estavam vivendo sob a influência do que haviam ouvido. Eles estavam errados e precisariam rever isso.

Embora fosse o ensino e embora estivessem adaptados a ele; embora lhes parecesse lógico e sensato e embora talvez pensassem que tinham a aprovação de Deus, estavam errados e precisariam rever e mudar. Eles não deveriam odiar os inimigos. E também não deveriam ignorar os inimigos. Eles deveriam amar os inimigos. O que haviam aprendido e estavam habituados representava a contramão da vontade de Deus. Que grande surpresa! Que doutrina estranha a de Jesus! Podemos olhar tudo isso à distância e nem perceber que é possível que o mesmo aconteça conosco. Ouvimos o que nos foi dito e estamos certos do que está tudo certo. Mas, e se estivermos na contramão da vontade de Deus?

Precisamos da tutoria do Espírito Santo. Precisamos ser mais permeáveis para que sejamos guiados à verdade. Precisamos da ajuda de Deus para que nossa vida seja guiada pela verdade e não apenas pelo que tornou-se verdade para nós. Para que nos apeguemos a valores que enriqueçam a vida e honrem a Deus, e não apenas ao que se tornou valioso para nós. Precisamos estar abertos a admoestação que vem do alto. Precisamos da ajuda de Deus para que nos apeguemos aos princípios do Reino de Deus, em lugar de nos tornamos sinceramente equivocados. O sintoma dos nossos apegos indevidos está em nossa falta de amor, humildade e mansidão. Fica o alerta de Jesus. Que nos lembremos: Jesus sempre tem algo a nos dizer sobre o que já ouvimos!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui