Servir às pessoas é servir a Cristo

“Depois disso, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em sua cintura. Chegou-se a Simão Pedro, que lhe disse: “Senhor, vais lavar os meus pés?” (João 13.5-6)

Lá vai Jesus com a toalha em volta da cintura e a bacia de água nas mãos. Ajoelha-se e começa a fazer o que não se esperava que fizesse. Afinal, Ele era o Rabi, o Professor. Como não havia um servo para lavar os pés de todos, quem se disporia a realizar a tarefa, a mais humilde e que não representava honra alguma? Aos olhos de todos, era algo para o menor dentre deles. Mas foi o maior quem assumiu a responsabilidade. Foi Jesus quem tomou a iniciativa e realizou a tarefa. Todos achavam-se importantes demais para fazer aquilo. O mais importante de todos se fez servo de todos. Embora não pretendessem ser maiores que Jesus, todos jugavam-se maiores que os demais. Sempre nos achamos melhores que alguém! Às vezes, melhores que todos! Cada um deles certamente pensava:  se alguém tem que servir, deve ser qualquer outro, menos eu e Jesus. Mas, ainda que perplexos e talvez meio constrangidos, todos entregaram os pés. Talvez o primeiro a ter os pés lavados tenha pensado: será que Jesus está fazendo isso comigo para mostrar aos outros que, depois dele, sou eu o mais importante? Mas Jesus seguiu lavando os pés do próximo, e do próximo e, por fim, de todos.

Claro, houve uma pausa. Quando chegou a vez de Pedro, ele se recusou a permitir que o Mestre lhe lavasse os pés. Você não acha razoável a atitude de Pedro? Afinal, Jesus é o Mestre e ele o aprendiz. Na perspectiva de Pedro (e de todos nós), o menor serve ao maior, e não o contrário! É isso que aprendemos. O poderoso domina o fraco. Quem sabe é superior a quem não sabe. Como dizemos, quem pode manda, quem não pode, obedece. Mas o Reino de Deus é diferente do reino dos homens. Jesus não seguia as regras do reino dos homens. Sua bandeira sempre foi servir. Foi revelar o amor do Pai e ensinar a graça que busca o necessitado, o indigno. Veio trazer o Reino, para pecadores, não para quem se acha santo! A graça só encontra lugar onde a fraqueza é reconhecida! Os discípulos, vez por outra, entravam em conversas em que  disputavam o primeiro lugar, o lugar de mais importante depois de Jesus (Lc 22.24-38). Pedro certamente tinha seus argumentos. Lemos em João que, mesmo após essa experiência impactante de Jesus lavando os seus pés, ele revela que ainda se julga bom o bastante para, se preciso fosse, até morrer pelo Mestre. Como somos lentos para aprender! E temos problemas em nossa espiritualidade.

O problema da espiritualidade de Pedro não era o que ele pensava sobre Jesus. Isso estava certo! O problema estava no que pensava sobre si e sobre os outros! Este também é um de nossos problemas. Pensamos corretamente sobre Jesus, mas equivocadamente sobre nós e os outros. Servir a Jesus, tudo bem. Mas a todos os demais?! Ser servo de Jesus, tudo bem. Mas servo dos outros? Pedro ignorava e nós talvez ainda ignoremos que é servindo às pessoas que poderemos servir a Cristo. Não há outra forma! (Mt 25.31-46) Devemos quebrar o padrão do reino dos homens, no qual servir é castigo ou falta de opção. E estabelecer o padrão do Reino de Deus, em que servir é o caminho de quem segue a Cristo. Quem quiser destacar-se, que se destaque servindo, colocando-se à disposição de quem precisa. Tomando a iniciativa, colocando a toalha em volta da cintura. As mãos de quem segue verdadeiramente a Cristo estão sempre ocupadas. Não recebendo, mas dando. Entendemos que devemos servir a Cristo. Mas se não entendermos que devemos servir às pessoas, não entendemos coisa alguma!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui