Semana da Abolição em Caravelas anima cenário cultural

De 07 a 13 de maio organizações e movimentos locais convidam o público para discutir e refletir sobre o tema. Foto divulgação

Foi em 13 de maio de 1988, na comemoração dos “100 anos da Abolição”, promovida por organismos públicos de Caravelas, que grupos de capoeira e teatro de rua da localidade se organizaram em protesto à comemoração do tema criando o movimento “100 anos de Falsa Abolição”.

Esses grupos, provindos do Movimento Cultural Arte Manha – associação de artistas que trabalha com o resgate e fortalecimento da cultura Afro Indígena – formaram então o UMBANDAUM – grupo de Dança Etnocultura Afro-Indígena-brasileira. Desde então, eles utilizam a Semana da Abolição, que supostamente foi ostentada para comemorar a libertação da escravatura, para trazer debates e reflexões acerca do tema.

Durante o evento, instituições, professores, artistas e líderes sociais e ambientais promoverão rodas de conversas com o tema; “Cultura e Ambientes a Serviço das Comunidades”. Também, acontecerão oficinas e atividades culturais durante toda a semana para celebrar a cultura africana e trazer reflexão não só às condições dos negros no país, mas de todos os povos, que em algum momento da história foram ultrajados.

O Projeto Meros do Brasil, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, também participa da comemoração. Em Caravelas, o Projeto é representado pelo Movimento Cultural Arte Manha, com o apoio de parceiros locais e regionais.

 Nesta edição, o Projeto Meros do Brasil terá destaque na 1a Oficina de Entalhe em Madeira. Promovidas pelo Movimento Cultural Arte Manha, as oficinas terão duas turmas com aproximadamente 10 participantes cada e produzirão 30 esculturas de meros pelas mãos dos mais novos artesãos (aprendizes do curso) da região.

Um dos objetivos dessa oficina é sensibilizar a população sobre a condição de ameaça crítica de extinção que se encontram os meros no país. Os meros são peixes muito vulneráveis à pesca, por possuir taxas de crescimento lento, atingir grande tamanho, agregarem-se para a reprodução e maturar sexualmente tardiamente.

O evento conta com o apoio logístico da Área de Proteção Ambiental – APA Ponta da Baleia, do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, da Conservação Internacional – CI Brasil e da Secretaria Municipal de Cultura de Caravelas.

O Seminário terá as participações dos representantes das Aldeias Indígena Pataxó Boca da Mata; Pataxó Pé do Monte; dos Quilombolas de Volta Miúda; da Associação de pescadores e pescadoras da Barra de Caravelas; da RESEX de Corumbau; e de Cassurubá; além de professores (as) da Universidade Federal do Sul da Bahia / UFSB Teixeira de Freitas e Universidade Estadual da Bahia /UNEB Teixeira de Freitas.

Abaixo segue a programação completa do evento:

PROGRAMAÇÃO

Dia 12 (sábado) na Arena do Massapê

Das 14h às 18h – Seminário (Roda de Conversas)

Tema: “Cultura e Ambientes a Serviço das Comunidades”

Falas Inspiradoras:

Bloco 01

Territórios Quilombolas (Valdeir Moar / Advogado e Ativista Social, Teixeira de Freitas)

Territórios Indígenas (Cacique Alfredo Santana/Aldeia Boca da Mata)

Bloco 02

Cultura e Ambientes (Prof. Dr. Francisco Nunes/UFSB, Teixeira de Freitas)

Comunidades Extrativistas (Ronaldo Oliveira/Chefe da Resex Corumbau.e Ecosocialista

Bloco 03

Economia Criativa (Benevaldo Nunes/APA Ponta da Baleia)

Mídias Digitais nas Aldeias Indígenas (Profª.Drª Helânia/UNEB, Teixeira de Freitas

Das 20h às 02h na Arena do Massapê

Noite de Celebração – “UMBANDAUM 30 Anos”

20:00 –Grupo Capoeirangolé “Roda de Angola”

10:00 – Sarau do Umbandaum “Axé Tradicional”

(Gel Santos, Ruy Galdino, Lecrel, Flávio Maomé,

Ane Amaro, Gabe Fernandes e Convidados)

00:00 –Forró Aracuã “Tributo ao Rei Lua”

01:00 –Ruy Galdino e Banda Reggae

Dia 13 (domingo) 

Comunidades Quilombolas em Abrolhos

TOUR no Centro Histórico com Comunidades Indígenas

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui