Que haja mais que aparências

“Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável.” (Salmos 51.10)

Hoje vou de música nordestina, neste domingo de nossa semana. Domingo das igrejas, dos pastores, dos crentes, dos padres e dos católicos. Domingo, o dia em que a Bíblia, ainda que não seja mais lida, é mais citada. Hoje chamo a minha e a sua atenção para o coração, para o lado de dentro, pois é para lá que se dirige a súplica do salmista, ainda que proferida para Deus. E faremos bem em acompanhar sua orarão. Hoje é domingo, um bom dia para mudarmos um pouco mais por dentro.
O que buscaremos em nossas reuniões? O que levaremos para elas? O que esperamos receber?  O que nelas nos aborrecerá? Falaremos bem ou mal do sermão? Gostaremos ou criticaremos as canções escolhidas? Estarão do nosso agrado? E o nosso coração? Como está e como ficará depois de mais um culto?

Será que faz sentido acumularmos tantas liturgias, tantos sermões, tantos domingos e continuarmos os mesmos? É possível tornar-se imune e pouco reagir aos encontros com as Escrituras, nestes momentos em que Jesus se faz presente por nos reunirmos em seu nome. É possível parar no templo e no tempo. Não mudar o modo de ver e sentir a vida ou tratar o outro, como se já tivéssemos chegado ao final, nada tendo a rever. A oração de Davi me disse essas coisas. Não somente ela, mas também a poesia de Braulio Bessa, poeta nordestino, daí a razão da canção da de hoje. Quero lê-la para você.

Não deixe sua visão encoberta por um pano/ Quem repara só por fora vive a vida num engano / porque o melhor do osso, eu garanto, é o tutano. / Pra se conhecer um livro é preciso abrir e ler / escutar o que ele diz, abrir os olhos pra ver / que olhando só pra capa ninguém consegue entender / Não é produto de marca que define o cidadão / Nunca julgue nessa vida um homem de pés no chão / pois sapato calça os pés mas não calça o coração. / Nunca vi camisa cara abraçar sozinha ninguém / Quem abraça é quem tá dentro, quem tá dentro faz o bem / abraçando com a alma que tá lá dentro também. / Quem é belo só por fora por dentro não tem valor / Já vi bonito odiando e feio espalhando amor / Já vi passarinho preso cantando e sentindo dor. / Tem gente com roupa suja que ajuda a limpar o mundo / Tem gente de terno limpo que por dentro é um imundo / Só se conhece o rio se o mergulho for profundo / Ninguém no mundo é igual, é grande a variedade / O corpo é só aparência, a alma é identidade / Beleza não tem padrão, bonito é ser de verdade.

Que neste domingo em que a igreja se reúne, que os pastores pregam, que poetas nos falem em nome de Deus. Que as palavras de Davi o poeta pastor e rei, e as palavras de Braulio Bessa, profeta da poesia nordestina, nos orientem e olhemos mais para dentro e para cima. Afinal, para que cultuemos a Deus é preciso mais que aparências. É preciso alma e coração. E na liturgia do Espírito Santo, nem sempre quem canta adora, mas, sem dúvida alguma, não há confissão que não termine em adoração.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui