Prorrogação de decreto de festas na Bahia está em conflito com cenário atual, analisa CES-BA

Marcos Sampaio, presidente do CES-BA. Foto: Ascom

A prorrogação do decreto estadual que permite festas para até 5 mil pessoas no estado não está de acordo com o cenário atual, conforme analisa o Conselho Estadual de Saúde da Bahia (CES-BA), órgão que fiscaliza o SUS. A soma de fatores como o surto de gripe, os reflexos das enchentes, bem como o resultado das festas de fim de ano e férias de verão para o aumento de casos de Covid-19 e a experiência dos navios cruzeiros — como o que atracou com 68 infectados — são exemplos de que é hora de rever as flexibilizações.

Para o conselho, a reunião destes problemas ameaça a volta dos indicadores vermelhos e deve pressionar o sistema público de saúde, principalmente porque há um considerável número de pessoas no país que ainda não completaram seus esquemas vacinais.

“Os surtos de covid-19 em cruzeiros nos mostraram bem o que ocorre em aglomerações e festas. O navio que atracou em Salvador tinha mais de 3,8 mil viajantes. As festas poderão ter 5 mil pessoas em espaços confinados e sabemos que ninguém fiscaliza direito o uso de máscaras nesses eventos. O atual decreto amplia a nossa convivência com o vírus”, diz Marcos Sampaio, presidente do CES-BA.

O órgão acrescenta, ainda, que tem recebido relatos de usuários do SUS que têm levado até 4h de espera apenas para passar pela triagem nas unidades de saúde das médias e grandes cidades. Em razão destes efeitos e do subfinanciamento da Atenção Básica, o conselho recomenda que os prefeitos e secretários municipais de saúde discutam a revisão deste decreto de festas em suas cidades a fim de se adequar ao cenário.

“As prefeituras têm como indicadores as portas dos hospitais e a ocupação das suas UTIs e precisam avaliar qual é a pressão que virá para os seus sistemas. A vacina da gripe só deve chegar em março, então, até lá, a única possibilidade é dar assistência aos doentes e adotar medidas de proteção. Quanto mais gente doente, menos condições os municípios terão de dar assistência aos seus cidadãos”, completa Sampaio.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui