Prisão

“Liberdade é poder escolher a própria prisão.” Lídia Rodrigues

Do lado de fora da minha janela vi um carro solitário, neste início de manhã, passar com os faróis acesos e um macaquinho do tamanho de um rato correr por cima do fio elétrico. E logo o silêncio voltou a reinar na rua. Agora a esfera amarelo – manteiga está nascendo no horizonte, subindo lentamente entre os prédios. Na orla marítima pessoas devem estar começam a andar nos calçadões. E a praia, tão viva, com as ondas batendo, as pedrinhas inquietas e os pássaros no ar.

O político que foi preso ontem não terá esta manhã de sábado. Preso, nos deparamos com a realidade e muitas vezes ficamos com raiva de nossas escolhas. Porque a vida não é justa. Porque temos que escolher, e às vezes essas escolhas são difíceis. As vezes nem temos escolha. Nem tudo pode ser consertado com agulha e linha e cola, e nem todos nós vamos terminar nossos dias numa varanda ensolarada e não é possível voltar atrás, só seguir em frente. Na prisão nada se move, não existe paisagem nem momento perfeito. Os pensamentos ficam enxameados como moscas com o desejo da liberdade, de viver o mundo real.

*João é natural de Salvador, onde reside. Engenheiro civil e de segurança do trabalho, é perito da Justiça do Trabalho e Federal. Neste espaço, nos apresenta o mundo sob sua ótica. Acompanhe semanalmente no site www.osollo.com.br.

Nota: O conteúdo aqui publicado é de inteira responsabilidade do colunista que assina o texto.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui