Policlínicas regionais de saúde já atendem 66,9% da população

A Policlínica de Teixeira de Freitas. Foto: Wesley Morau/ OSollo.

Desde o último dia 11 de novembro, com a abertura da 14ª Policlínica Regional de Saúde, erguida em Senhor do Bonfim, mais 363.640 moradores baianos de 11 municípios passaram a ter acesso aos serviços oferecidos neste tipo de unidade.

Eles se somaram aos cerca de 6,8 milhões de habitantes de 268 municípios, que já tinham acesso à assistência nas 13 policlínicas em funcionamento na Bahia.

Ao todo, as policlínicas já atendem 66,90% da população de 279 municípios. Em 29 de novembro, será entregue a 15ª policlínica, em Simões Filho, ampliando o atendimento no estado.

Com investimento de cerca de R$23 milhões entre obras equipamentos e micro-ônibus, que fazem o o transporte dos pacientes, a unidade conta com 91 profissionais.

São médicos, enfermeiros, psicólogo, farmacêutico, nutricionista, ouvidor, assessores técnicos, assistente social, técnicos em enfermagem, técnicos em radiologia e assistentes administrativos.

Os moradores dos municípios do consórcio formado por Andorinha, Antônio Gonçalves, Campo Formoso, Cansanção, Filadélfia, Itiúba, Jaguarari, Nordestina, Ponto Novo, Queimadas e Senhor do Bonfim têm à disposição consultas médicas em diversas especialidades como angiologia, cardiologia, endocrinologia, gastroenterologia, neurologia, ortopedia, oftalmologia, otorrinolaringologia, ginecologia/obstetrícia, mastologia e urologia.

A policlínica também oferece diversos exames como ressonância magnética (com e sem contraste), tomografia (com e sem contraste), mamografia, ultrassonografia com doppler, ecocardiografia, ergometria, mapa, holter, eletroencefalograma, raio-X, eletrocardiograma, endoscopia, colonoscopia, nasolaringoscopia, colposcopia, ,histeroscopia, cistoscopia, entre outros, ligados às especialidades de oftalmologia.

A gestão da policlínica é realizada em parceria entre Governo do Estado e os municípios que integram os consórcios. Os municípios cobrem 60% dos custos de operação, sendo que o valor é dividido proporcionalmente ao número de habitantes de cada um deles, e o Estado fica responsável pelos 40% restantes.

Outras treze Policlínicas Regionais de Saúde já estão em funcionamento na Bahia. As unidades oferecem atendimentos aos cidadãos das regiões de Guanambi, Jequié, Irecê, Alagoinhas, Feira de Santana, Valença, Santo Antônio de Jesus, Teixeira de Freitas, Paulo Afonso, Juazeiro, Vitória da Conquista, Jacobina e Itabuna.
Além das que já estão em funcionamento e da entrega em Senhor do Bonfim, outras cinco policlínicas estão em construção nos municípios de Salvador (duas unidades), Barreiras, São Francisco do Conde e Simões Filho.

Novas hospitais

Desde 2015, o Governo do Estado já inaugurou sete novos hospitais, ampliando as vagas de atendimento de alta complexidade em todas as regiões da Bahia. Ainda estão em andamento as obras do Hospital Metropolitano, do novo Hospital Geral Clériston Andrade, em Feira de Santana, e a ampliação do Hospital de Barreiras. Em Salvador, foram inaugurados o Hospital da Mulher e os novos Hospital Geral do Estado (HGE2) e Hospital Couto Maia, que atendem aos moradores da capital, mas recebem pacientes de todas as regiões.

O HGE 2 foi construído em uma área de 14 mil metros quadrados e realiza procedimentos cirúrgicos de média e alta complexidade. Inaugurada em 2016, a unidade é referência no atendimento a queimados e urgências de cirurgia geral, traumato-ortopedia, cirurgia oftalmológica (proveniente de trauma), cirurgia plástica reparadora, cirurgia torácica, cirurgia buco-maxilo facial e cirurgia de coluna. Segundo o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, com a inauguração do HGE 2, foi possível ampliar a assistência, com a abertura de novos leitos, desafogando o HGE 1 e oferecendo maior qualidade na assistência aos pacientes

Com investimento superior a R$ 40 milhões entre obras e equipamentos, o governo inaugurou no início de 2017 o Hospital da Mulher – Maria Luzia Costa dos Santos, localizado no Largo de Roma. O hospital é o maior hospital especializado no atendimento à saúde da mulher do Norte-Nordeste e considerado um centro de referência estadual. A unidade oferece 36 leitos, sendo 22 leitos no hospital-dia, dez leitos na clínica médica (geral e oncológica), 85 clinicas cirúrgicas e dez UTIs.

O Instituto Couto Maia é maior e mais moderno hospital especializado em doenças infecto-contagiosas do Brasil.  Em 2018, ele passou saiu da antiga sede do bairro de Monte Serrat e passou a funcionar em uma estrutura nova e moderna construída em Cajazeiras.  Atualmente atende com 120 leitos, sendo 20 deles UTIs, ambulatórios de infecção geral, HIV e neuroinfecção.

A unidade conta com atendimento de urgência e emergência, ambulatório especializado, além de um Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie) e uma agência transfusional, serviço de reabilitação e de logística. Oferece pronto-atendimento 24 horas para pacientes referenciados e regulados no Sistema Único de Saúde (SUS). O serviço de internação atende homens, mulheres e crianças, 60% deles portadores do vírus HIV, e a unidade permite que eles recebam todo o suporte para o controle da doença.

Por sua vez, o Hospital Regional Costa do Cacau, localizado Ilhéus, atende à demanda do sul do estado. A unidade aberta no final de 2017 possui 225 leitos, sendo 30 de Terapia Intensiva (UTI). Foram investidos R$ 124 milhões na sua implantação. Inaugurado no final de 2017, no município de Seabra, o Hospital Regional da Chapada foi a primeira unidade de alta complexidade da região. Com 101 leitos, sendo 10 de UTI, o hospital é destaque para 11 municípios da região, oferecendo atendimento de urgência e emergência 24 horas, centro de bioimagem e cirúrgico, ambulatório, dentre outros.

Outra unidade criada pelo atual governo é a Maternidade do Hospital Estadual da Criança (HEC), em Feira de Santana. Também inaugurada em 2017, a maternidade contou com o investimento de mais de R$ 7,5 milhões, dos quais R$ 4 milhões foram aplicados em aquisição de equipamentos e R$ 3,5 milhões nas obras. A unidade tem mais de 100 leitos e salas de cirurgia obstétrica.

Entregue em maio de 2018, em Jequié, o novo Hospital Geral Prado Valadares (HGPV) é uma unidade de grande porte de referência estadual, com 276 leitos. Hoje atende a uma população superior a 600 mil habitantes de 27 municípios. O governo investiu R$ 38 milhões, entre obras e equipamentos, para beneficiar mais de 600 mil moradores que vivem na região.

Mutirão leva cirurgias eletivas para a população de todo estado

Iniciado em setembro de 2016, o Mutirão de Cirurgias é um Serviço do Programa de Saúde sem Fronteiras do Governo do Estado. São atendidas pessoas que tenham encaminhamento do Sistema Único de Saúde (SUS) para a realização de procedimentos cirúrgicos. Desde que foi criado, os mutirões foram responsáveis pela realização de mais de 34,6 mil atendimentos e de 23 mil cirurgias. Parte desses procedimentos foram encaminhados, a partir de triagem feita durante as Feira Cidadãs, promovidas pela Secretaria de Saúde do Estado em parceria com as Voluntárias Sociais da Bahia.

O programa oferece cirurgias de vesícula, hérnias (inguinal, umbilical e epigástrica), histerectomia (útero) e tireoidectomia (retirada da tireoide). Além disso, realiza procedimentos cirúrgicos pediátricos, para crianças de 4 anos até 13 anos e 11 meses: amigdalectomia com adenóide; hernioplastias inguinal, umbilical e epigástrica; retossigmoidectomia (retirada da bolsa de colostomia).

O trabalho funciona da seguinte forma: o Governo do Estado disponibiliza equipe médica e toda a estrutura para os procedimentos, além do acompanhamento do paciente após a cirurgia. Os atendimentos médicos são realizados nos hospitais estaduais e nas unidades complementares de cada região da Bahia. Isso permite que o paciente tenha maior comodidade e não faça grandes deslocamentos. As prefeituras são responsáveis por garantir o acesso dos pacientes às cidades onde serão realizados os procedimentos.

Saúde mais perto dos baianos: a regionalização é realidade

Com 14 policlínicas regionais de saúde entregues, mais de 7,1 milhões de baianos de 279 municípios passaram a ter acesso a serviços ambulatoriais especializados e exames de alta complexidade, como ressonância magnética e tomografia computadorizada. O compromisso do Governo do Estado de ampliar e descentralizar o acesso aos serviços de saúde em toda a Bahia já é uma realidade e o trabalho não para.

As unidades foram entregues nos municípios de Teixeira de Freitas, Irecê, Guanambi, Jequié, Feira de Santana, Alagoinhas, Santo Antônio de Jesus, Valença, Paulo Afonso, Jacobina, Juazeiro, Vitória da Conquista, Itabuna e Senhor do Bonfim e Barreiras. Entre obras, micro-ônibus, mobiliário e equipamentos, cada policlínica custou aproximadamente R$ 24 milhões, totalizando um investimento de R$ 384 milhões. As três próximas policlínicas a serem entregues são em Simões Filho, Barreiras, São Francisco do Conde e Salvador, sendo duas na capital baiana.

Diversos exames são oferecidos nas policlínicas regionais, com destaque para os seguintes: ressonância magnética, tomografia, mamografia, ultrassonografia com doppler, ecocardiografia, ergometria, mapa, holter, eletroencefalograma, eletromiografia, raio-X, eletrocardiograma, endoscopia, colonoscopia, nasolaringoscopia, colposcopia, entre outros, ligados às especialidades de oftalmologia. Também são realizados vasectomia, cauterização, pequenas cirurgias e cuidados com o pé diabético, além de biopsias de mama, tireoide, próstata, dérmica, gastroenteral, dentre outras.

Os baianos também tem acesso a uma variedade de especialidades médicas, a exemplo de angiologia, cardiologia, endocrinologia, gastrenterologia, neurologia, ortopedia, oftalmologia, otorrinolaringologia, ginecologia/obstetrícia, mastologia, urologia. Sendo possível, ao longo do tempo, ampliar ou substituir por outras especialidades a depender do perfil epidemiológico da região.

Uma das novidades desse projeto de regionalização é a gestão compartilhada entre o governo estadual, que financia 40% dos custos mensais, enquanto os municípios consorciados vão cobrir os 60% restantes proporcionalmente à população. Assim, as policlínicas regionais alcançam o objetivo simultâneo de reduzir o vazio assistencial de média complexidade, ampliar o diagnóstico das doenças crônicas e degenerativas, tornando-os mais precoces, além de melhorar a resolutividade da saúde pública.

Mais assistência

Além das 14 policlínicas, sete novos hospitais e cinco UPAs construídas, a regionalização da saúde é percebida em outras frentes. Com mais de 1,6 milhão de mamografias realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), entre 2015 e outubro de 2019, a Bahia é líder em cobertura no ranking nacional do exame. Somente neste ano, o estado ultrapassou as 200 mil mamografias.

A conquista é resultado da preocupação do Governo do Estado da Bahia com as mulheres em relação ao câncer de mama. A mamografia, de acordo com o Ministério da Saúde, é indicada para as mulheres de 50 a 69 anos, faixa etária de maior risco para a doença. As unidades móveis já percorreram todas as regiões de saúde, realizando exame de mamografia para mulheres que nunca tiveram a oportunidade de fazê-lo. Além disso, há unidades fixas em todas as policlínicas regionais de saúde e unidades hospitalares de referência.

Outra iniciativa que circula nos quatro cantos do estado é o Mutirão de Cirurgias, que atualmente ganhou ainda mais destaque ao integrar as Feiras Cidadãs em parceria com as Voluntárias Sociais. Somente neste ano foram mais de 6 mil atendimentos e 2.370 cirurgias realizadas. No acumulado de 2016 e 2019 os números ultrapassam a marca de 35 mil atendimentos e 23 mil procedimentos cirúrgicos.

Os pacientes de 14 a 65 anos passam por consulta com cirurgião e realizam exames pré-operatórios para serem submetidos a uma das cirurgias ofertadas pelo programa: hérnias (umbilical, inguinal, epigástrica), histerectomia e colecistectomia.

“Identificamos que a população aguardava meses e até anos para realizar uma cirurgia porque a prefeitura não conseguia oferecer o acesso ao procedimento. O Governo do Estado então, resolveu ajudar os municípios a eliminar a fila dos procedimentos cirúrgicos de maior demanda”, afirma o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, que ressalta também o esforço financeiro para realizar a ação. “Estamos pagando 50% a mais do que o estipulado pela tabela SUS, com recursos do tesouro estadual, para que as equipes médicas tenham interesse em fazer as cirurgias”, pontua o titular da pasta da Saúde.

Novas perspectivas

O ritmo acelerado das obras e abertura de novos serviços adentra 2020. Na capital e no interior, estão em construção academias de saúde, Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), além de um novo hospital no município de Lauro de Freitas, bem como as ampliações do Hospital do Oeste, em Barreiras, e do Hospital Regional Mário Sobrinho, em Irecê.

A capital ganhará ainda um Centro de Controle da Hipertensão, um Centro Especializado no Tratamento da Anemia Falciforme, além da requalificação do Complexo Solar Boa Vista, que abrigará a Central Estadual de Laudos, o Centro de Infusão de Medicamentos e a Farmácia de Dispensação de Medicamentos de Alto Custo, centralizando assim o serviço na capital.

No interior do estado, o governo baiano também está construindo uma maternidade no município de Camaçari e uma Unidade de Alta Complexidade em Oncologia, em Juazeiro.

O Hospital Metropolitano, que está sendo erguido no município de Lauro de Freitas, será referência para os municípios de Camaçari, Candeias, Dias D’Ávila, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Mata de São João, Pojuca, Salvador, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Simões Filho e Vera Cruz. Estão sendo investidos R$ 185 milhões na construção e aquisição de equipamentos.

A unidade será referência para casos de urgência e emergência, trauma, acidente vascular cerebral (AVC) e contará com 265 leitos, sendo 30 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) e oito salas de cirurgia. Um dos destaques do projeto é a Unidade de Atenção ao Acidente Vascular Cerebral (UAVC), que atende pacientes acometidos pelo Acidente Vascular Cerebral (isquêmico, hemorrágico ou ataque isquêmico transitório), na fase aguda, ofertando tratamento trombolítico venoso, reabilitação precoce e investigação etiológica completa.

O hospital também ofertará serviços de alta complexidade em neurocirurgia, o que envolve equipes especializadas, instalações físicas e equipamentos adequados para o diagnóstico das doenças, além do tratamento neurocirúrgico. Haverá a oferta de leitos de internação, reabilitação e acompanhamento ambulatorial pré e pós a alta hospitalar.

A nova unidade hospitalar da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) contará com enfermarias nas especialidades de clínica geral, clínica cardiológica, clínica neurológica, cirurgia geral, cirurgia urológica, vascular, gastro e neurológica, além de setor de imagem e diagnóstico para realização de exames como tomografia, ressonância magnética, ecocardiograma e ultrassom. Um heliponto também será construído para uso nos casos mais urgentes.

Outra construção relevante é o Novo Hospital Cleriston Andrade, em Feira de Santana. Com investimentos superiores a R$ 50 milhões entre obras e equipamentos, a unidade contará com 40 leitos de terapia intensiva (UTI), centro cirúrgico com 11 salas, além de um Centro de Hemorragia Digestiva e uma central de material e esterilização. A edificação contará também com um novo setor de Bioimagem com ressonância magnética, dois tomógrafos, raio-X, ultrassom e ecocardiograma.

PPP de Imagem

Com a Parceria Público-Privada (PPP) de Imagem, o Governo do Estado ampliou a capacidade de atendimento à população, reduziu custos e promoveu melhorias nos serviços prestados, como maior precisão do diagnóstico e agilidade na entrega dos resultados. Foram investidos mais de R$ 120 milhões entre obras e aquisição de equipamentos, tais como ressonância magnética, tomógrafos, raios-x e mamógrafos.

Os resultados são expressivos, com mais de 1,4 milhão exames realizados desde o início da operação em 2016. Os exames de ambulatório são laudados no máximo em 48 horas, enquanto os exames de urgência e emergência, em uma hora, sendo o tempo máximo admitido de duas horas. Isso é mais ágil que qualquer clínica ou hospital privado. Atualmente a PPP de Imagem atua em 11 unidades estaduais.

Central de Regulação terá serviços ampliados som inauguração de nova sede em 2020

Estão sendo investidos cerca R$ 7,7 milhões na implantação da nova sede da Central Estadual de Regulação (CER) e da Central de Inteligência, que vai monitorar e acompanhar todas as unidades, através de indicadores de desempenho da rede, em tempo real. As novas unidades vão funcionar na Central Integrada de Comando e Controle da Saúde, que está sendo construída ao lado da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab), no Centro Administrativo,

A obra é financiada pelo Programa de Fortalecimento do Sistema Único de Saúde na Região Metropolitana de Salvador (PROSUS), com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), somando investimentos superiores a R$ 7,7 milhões. No local, haverá três pavimentos em mais de 2,3 mil metros quadrados, com previsão d entrega no primeiro trimestre de 2020.

Uma das funções da regulação é a ordenação e qualificação dos fluxos de acesso às ações e serviços de saúde, de modo a otimizar a utilização dos recursos assistenciais disponíveis e promover a transparência, a integralidade e a equidade no acesso às ações e aos serviços. A CER também realiza serviços de acolhimento e educação em saúde, desenvolvimento de estratégias educativas integrais, gerenciamento do transporte de pacientes e a frota necessária para tal.

Investimento em tecnologia otimiza a gestão de unidades de saúde

A Secretaria de Saúde do Estado está investindo na implantação de 50 salas de Telemedicina em todo território baiano, com o objetivo de diagnosticar e tratar o Infarto Agudo do Miocárdio. Deste total, 22 salas serão implantadas nas unidades da rede própria da secretaria e 28 funcionarão através de termo de cooperação técnica com municípios localizados em regiões estratégicas.

Por ano, cerca de R$17 milhões serão destinados à aquisição da medicação trombolítica, instalação dos equipamentos, software de telemedicina e capacitação dos profissionais.

Outros R$ 52 milhões estão sendo investidos na gestão informatizada de leitos e prontuário eletrônico. Os recursos são aplicados em infraestrutura de cabeamento de rede e aquisição de computadores, impressoras e conectividade.

O projeto inclui ainda aplicativo para dispositivos digitais que possibilita gerir e acompanhar remotamente o giro de leitos nas unidades de saúde do estado. Outra inovação é um software que possibilita à unidade fazer a sua gestão de maneira informatizada. As inovações permitem que Central Estadual de Regulação (CER) tenha acesso, em tempo real, ao número exato de leitos disponíveis em cada unidade O projeto piloto já está implantado em 5 unidades (Centro Estadual de Oncologia (Cican) e nos hospitais Geral do Estado (HGE), Geral Roberto Santos (HGRS), Ernesto Simões (HGESF) e Geral de Camaçari (HGC).

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui