Ocupação dos índios Maxakali na praça da cidade traz consequências ao local

alt

O que era um cartão postal da cidade de Teixeira de Freitas se tornou um lugar de sujeira, destruição e muito mau cheiro. A Praça da Bíblia, no coração da cidade, foi novamente tomada por um grupo de índios Maxakali. O grupo permaneceu na cidade por mais de 20 dias, sem que nenhuma autoridade competente tomasse nenhuma providência, para acolher e cuidar dos índios, deixados à sua própria sorte. Nem mesmo os órgãos de defesa e proteção do povo índigena, se manifestou no apoio ao grupo que esteve na cidade.

Maxakali é a denominação de um grupo indígena que habita três porções de terras descontínuas nos municípios de Santa Helena de Minas, Bertópolis, Ladainha e Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, no nordeste do estado de Minas Gerais.

alt

A aparente tranquilidade de um grupo de crianças indígenas que brincam na Praça da Bíblia, faz parte de um grave problema social. De acordo com os taxistas que trabalham no local, os índios têm problemas como o alcoolismo, e quando estão exaltados acabam causando prejuízos.

Como a população indígena possui legislação própria, e suas questões são tratadas pela FUNAI- Fundação Nacional do Índio, pouco pode ser feito pelo município de Teixeira de Freitas.

alt

A Praça está bastante deteriorada, com o acúmulo de lixo, muita sujeira, e o mau cheiro de fezes e urina impregnou toda a Praça. Nem o monumento da Bíblia Sagrada foi poupado pelos índios. O que se vê na praça, causa tristeza e lamento ao mesmo tempo.

alt

Cabe ao município apenas intervir quando solicitado pelas próprias lideranças indígenas ou organismos responsáveis e também procurar o diálogo para manutenção da ordem urbana. E foi essa a atitude da prefeitura municipal, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, que, ainda no fechamento de nossa matéria, providenciou a remoção dos índios da praça.

alt

Um ônibus foi até o local, recolheu os índios e seus pertences (incluindo cachorro, pintinhos, frangos, pombos e outros mais), e os conduziu para a aldeia no município de Machacalis, no estado de Minas Gerais.

Histórico

Segundo levantamento mais recente divulgado pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI/MG-ES), entre os anos de 2000 e 2007, o alcoolismo foi a terceira principal causa de morte entre os índios Maxakali.

Além disso, informações da FUNAI em seu site, estimam que cerca de 80% dos Maxakali concentrados nas cidades de Santa Helena de Minas e Águas Formosas sejam dependentes de álcool.

Por osollo.com.br/ Lúcio Andrade/Jornalista/MTb 4232

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui