O que você tem para dar?

“O homem olhou para eles com atenção, esperando receber deles alguma coisa. Disse Pedro: Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isto lhe dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, ande.” (Atos 3.5-6)

Não podemos dar o que não temos, e não precisamos ter para dar o que nos pedem para sermos uma benção na vida de outros. Ser uma benção não depende de darmos o que as pessoas gostariam de receber de nós. Podemos dar a outros o que recebemos de Deus, coisas que talvez eles nem imaginem que tenhamos para dar. Podemos ser pessoas que partilham, generosamente, o que recebem de Deus. O que somente Deus pode dar e que não se encontra para poder comprar. Começo a reflexão de hoje pelo fim. Se não quiser continuar a leitura, tudo bem. É isso que gostaria de deixar com você hoje. É isso que os versos escritos por Lucas me dizem hoje. Aquele homem aleijado estava acostumado a esmolas. O melhor que esperava receber (e acreditava precisar) dos outros tinha a ver com prata e ouro, com dinheiro. Ele nem percebia que era justamente recebendo o que pedia que o levava a permanecer onde estava. A viver como sempre viveu. Quantas vezes o que tanto buscamos apenas nos mantem exatamente no mesmo lugar! O que mais precisamos na vida é receber o que pode nos transformar. É disso que fala o Evangelho, é essa a experiência de quem recebe o Reino de Deus.

O grande poder deste mundo é, sem dúvida, o dinheiro. Desde sempre! E Pedro e João não tinham nenhum. Devíamos repensar o ditado: “querer é poder”. Na prática, “ter dinheiro é poder”. Por isso é tão importante ter dinheiro no reino dos homens. É como as coisas são e nem sempre poderemos nos abstrair dessa realidade. Nossa falta de dinheiro nos limitará em muitas coisas pois é assim o modo como as coisas são por aqui. Mas essa não é toda a verdade! O Reino de Deus veio a nós! Ele propõe a transgressão dessa lei. Chama-nos a rejeitar a tirania do dinheiro. Ele revela a pobreza das riquezas e a insuficiência do ter, por mais que se tenha. A igreja não deve ficar limitada ao dinheiro que consegue ter para ser uma benção para a cidade. Como cristãos não devemos permitir que o dinheiro defina os rumos, o tamanho e muito menos o valor de nossa vida. Jesus veio nos dar vida abundante e isso nada tem a ver com dinheiro. Devemos descobrir os tesouros do Reino de Deus e devemos colocar o dinheiro em seu devido lugar. Ele também deve ser transformado em benção.

Os apóstolos não tinham prata e nem ouro, mas tinham a autoridade de dar o que Jesus lhes deu. As curas foram manifestações muito frequentes nos primeiros momentos históricos da igreja. Os discípulos que viram Jesus curar e ressuscitar mortos, em nome de Jesus fizeram o mesmo. Mas não apenas isso: perdão, graça, reconciliação, inclusão, transformação também estiveram presentes e, de fato, são os sinais definitivos do Reino que chegou. O que tinham recebido por causa de Jesus, eles podiam dar. Pedro disse: “o que tenho, isto lhe dou”. Nem era preciso dizer, pois só podemos dar o que temos. Não damos o que não temos! A propósito, o que temos para dar? Sendo adoradores de Cristo e frequentadores do templo, o que temos? O que sai de nossos lábios? Quais as nossas atitudes? Como vemos, tratamos e lidamos com as pessoas e com a vida? O que temos aprendido com o modo como Deus nos trata? Não sei o que as pessoas tem esperado de você, mas o que mais importa é o que você tem encontrado em Deus. E, por causa de Deus, o que você tem para dar.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui