Meu desejo para hoje

“Há um só corpo e um só Espírito, assim como a esperança para a qual vocês foram chamados é uma só; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, que é sobre todos, por meio de todos e em todos.” (Efésios 4.4-6)

Hoje peço licença a todos que caminham conosco nas Devocionais Diárias para um parêntese importante. Peço uma pausa na nossa prosa pois hoje, 15 de maio, no ano de 1976, era organizada a Igreja Batista da Praia do Canto, em Vitória, Espírito Santo. Hoje é nosso aniversário. Estamos completando 44 anos. Desses 44 anos participei ativamente de 23 deles. Há irmãos que tem participado por muito mais tempo. Uma igreja é um ajuntamento de caráter  social e espiritual, entre outros. Temos nela a possibilidade de experimentar muitas transformações. Eu tenho vivido inúmeras. Como todo espaço de vida, uma igreja possibilita dor e alegria, entusiasmo e frustração, riso e choro. Sempre pensei muito em igreja, pois cresci frequentando um templo, que é um tipo de casa oficial da igreja. Há 20 anos tornei-me pastor, e venho, desde então, procurando entender esse papel e suas responsabilidades. Nunca concordei totalmente com o que me ensinaram a respeito e isso me permitiu questionamentos e aprendizados. Estou a caminho e celebro o fato de caminhar com esta igreja.

Desde que assumi sua liderança, há 7 anos, não houve um dia sequer que eu não me perguntasse que pastor sou eu e que igreja é essa. Mesmo suprido por Deus minhas limitações contam e sempre avalio se continuar é o que devo fazer. Continuar tem sido a resposta, até agora. Então neste dia em que aniversariamos, desejo declarar o que mais anseio para o futuro desta igreja, aquilo que estou disposto a me esforçar para alcançar até meu último dia como um de seus pastores. E a resposta que neste dia encontro está no texto de Efésios 4. Desejo essa convergência, essa descoberta do que é inegociável, inquestionável, irreparável, irretocável. Desejo o encontro e apego com aquilo que todo cristão deve comprometer-se. Desejo que ouçamos um só e o único Espírito Santo. Que possamos nos inspirar na mesma esperança na qual fomos chamados, pois ela é única, e vem do Evangelho proclamado por Jesus. Desejo que nos ajoelhemos diante do mesmo e único Senhor, praticando uma única e mesma fé. Desejo que, para todos nós, o batismo único e verdadeiro seja o que anuncia nosso mergulho na Trindade e uma vida firmada unicamente na graça. Desejo que creiamos juntos no único Deus e Pai de todos, que é sobre todos, por meio de todos e em todos. E que toda essa unidade produza frutos, obras, feitos, falas, cantos, esforços, celebração.

Os riscos para a vida de uma igreja são muitos. Precisamos de unidade. Uma unidade celeste, inspirada em Deus. Uma unidade que celebra a diversidade e se avalia pelos sinais que verdadeiramente confirmam que estamos no Caminho, no seguimento a Cristo. E estes sinais se enfileiram, tendo o amor como ala de frente. Aos 44 anos pergunto-me: somos uma igreja jovem ou velha? Depende do critério. A verdade é que, se uma igreja não for madura, só lhe resta ser velha, ainda que seja jovem por qualquer outro critério. A vocação, o chamado da igreja, é para manter-se cheia de vida e seguir amadurecendo. Sendo fiel interprete, não apenas da Bíblia, mas também da vida! Sendo capaz de lidar com os dilemas e crises humanas, com as fomes existenciais e as ilusões religiosas. Orgulhando-se de Cristo e não de si mesma. Celebrando a graça, e não os próprios feitos. Ó Deus, quero isso para a IBPC! E a você que nos acompanha aqui, porque hoje somos aniversariantes, peço que ore por isso, sendo ou não parte desta igreja. Amanhã a vida seguirá, mas hoje, faça da IBPC o alvo de suas orações. E por isso lhe serei imensamente grato!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui