Mais um projeto da Bahia é beneficiado pelo Edital do Fundo Costa Atlântica

Imagem ilustrativa
Fundação SOS Mata Atlântica contempla projeto da Organização Sócio-Ambientalista Pró-Mar.
Um projeto da Bahia – da Organização Sócio-Ambientalista Pró-Mar é selecionado pelo “IV Edital Costa Atlântica”, da Fundação SOS Mata Atlântica. O Edital foi lançado pelo Programa de Conservação das Zonas Costeira e Marinha sob influência do Bioma Mata Atlântica da Fundação e selecionou cinco projetos, de quatro estados, que receberão, ao todo, cerca de R$ 200.000,00 para as duas linhas de apoio: Criação e Consolidação de Unidades de Conservação (UCs) Marinhas e Conservação e Uso Sustentável de ambientes marinhos e costeiros. Os recursos são patrocinados por Bradesco Capitalização, Fundação Toyota do Brasil e Repsol.
Com esse resultado a Bahia passa a ter cinco projetos apoiados pela ONG. O projeto de ‘Apoio à Criação e Planejamento de uma Unidade de Conservação Municipal Marinha’, em Ilhéus, destinado a preservação do mero-canapu (Epinephelus itajara), do Instituto Floresta Viva e o ‘Levantamento de subsídios através de processo participativo, para criação do Refúgio de Vida Silvestre da Praia do Forte’, em Mata de São João, da Fundação Pró-Tamar, foram alguns dos projetos contemplados no I e II Edital do Fundo Costa Atlântica. No III Edital, dois projetos foram contemplados. O Consórcio entre o Instituto Baleia Jubarte e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Caravelas com o projeto “Formação do Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista Marinha do Cassurubá” e o Centro de Estudos Socioambientais (PANGEA) com o projeto “Consolidação e Fortalecimento da Reserva Extrativista Marinha de Canavieiras”.

Agora no IV Edital o projeto escolhido na Bahia visa proteger uma área de relevante interesse ecológico e econômico.  O projeto SOS Caramuanas, da Organização Sócio-Ambientalista Pró-Mar, realizará um diagnóstico participativo para criar uma Área Marinha Protegida (AMP) nos Recifes de Coral das Caramuanas localizados a sudeste da Ilha de Itaparica, na Bahia. O projeto vai analisar como os recifes desta região de 172 hectares são usados pelas comunidades locais para atividades como a pesca e também estudar a biodiversidade marinha e a dinâmica ecológica na região, de grande importância para pescadores artesanais e onde ocorrem espécies exclusivas. “O apoio a projetos por meio do quarto edital do Fundo Costa Atlântica vem mais uma vez incrementar os esforços para a conservação da biodiversidade e uso sustentável dos ambientes marinhos e costeiros associados à Mata Atlântica”, afirma Fabio Motta, coordenador do Programa Costa Atlântica.

Sobre o Programa Costa Atlântica

O Programa Costa Atlântica surgiu para apoiar o poder público e as demais organizações na ampliação da representatividade das Unidades de Conservação Marinha no Brasil e contribuir com a conservação da biodiversidade, a manutenção do equilíbrio ambiental, a integridade dos patrimônios naturais, históricos e culturais e o desenvolvimento sustentável dos territórios costeiros e marinhos.
O Programa é constituído por dois Fundos, o Fundo Costa Atlântica e o Fundo pró-Unidades de Conservação Marinhas. O Fundo Costa Atlântica foi criado para apoiar projetos que visam o desenvolvimento regional na zona costeira com incentivo ao estabelecimento de novos negócios e atividades sustentáveis, de forma a promover a melhoria na qualidade de vida das comunidades locais. Já o Fundo pró-Unidades de Conservação Marinhas foi estabelecido como um fundo de perpetuidade, com vistas a garantir a proteção, gestão e sustentabilidade das áreas marinhas protegidas existentes, já com projetos sendo desenvolvidos na Reserva Biológica Marinha do Atol das Rocas (RN) e na Estação Ecológica Gunabara (RJ) em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

Fonte: Lead Comunicação

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui