Itacaré: Prefeitura demite 200 funcionários e alunos ficam sem merenda

Prefeito diz que demissões não causam prejuízos aos serviços.

De acordo com diretora de escola, tem crianças que passam 7h sem comer.

Cerca de 200 funcionários foram demitidos da prefeitura de Itacaré, no sul da Bahia. Por causa dessa situação, alunos da rede municipal de ensino têm sido prejudicados. Segundo o sindicato da categoria, zeladores, merendeiras e auxiliares administrativos tiveram os contratos suspensos sem aviso prévio. A merenda oferecida pelas escolas foi suspensa e crianças que se alimentavam apenas na instituição de ensino, ficam sem comer durante toda a manhã. Em nota, a prefeitura afirmou que as demissões ocorreram devido à queda nas arrecadações do município e os serviços prestados não causaram prejuízos a nenhum setor, inclusive o da educação.

Na Escola Municipal Maria Benjamina da Cruz, há uma semana o lanche não é servido. Despensa e geladeira cheias de alimentos e a cozinha parada por causa da demissão das merendeiras. “Nós recebemos alunos da zona rural e, essas crianças, têm umas até que saem da zona rural cinco horas da manhã e, infelizmente, por falta das merendeiras, esses alunos ficam das 5h até as 11h45 sem se alimentar”, conta a diretora da instituição, Marileuza Palafoz.

A escola é uma das maiores da rede municipal da cidade, onde estudam cerca de 850 alunos no ensino fundamental e à noite tem educação de jovens e adultos. Uma outra escola da cidade também sofre as consequências das demissões dos servidores contratados, que trabalhavam na educação. Apenas uma cozinheira é responsável pela merenda da manhã e da tarde. Ao todo foram demitidos, sem aviso prévio, cerca de 200 zeladores, merendeiras e auxiliares administrativos que tinham sido contratados no início do ano.

Os problemas enfrentados pelas escolas da cidade também são identificados nos distritos e na zona rural. “Fizemos um relatório sobre a situação e viemos à comissão de educação na Câmara, na quarta-feira (22), juntamente com a comissão de educação na Câmara, fizemos visita a todas as escolas da sede e do distrito e vimos que a situação é a mesma”, relata Joselita Santana, presidente da APLB de Itacaré, sindicato dos trabalhadores em educação.

A auxiliar de serviços gerais, Cristiane Pereira, que também trabalha na escola, está preocupada com o filho, que estuda em uma instituição da rede municipal. Ela também trabalha na unidade e revela a situação. “Tem muitas crianças que vêm principalmente para ter seu almoço. A escola não tem uma merenda, então, eu como funcionária procuro ajudar no que eu posso”, afirma.

O prefeito de Itacaré, Jarbas Barbosa, informou que as demissões foram necessárias por causa de uma queda na arrecadação municipal de mais de 7%. Apesar de muitas escolas terem tido a merenda suspensa por causa da falta de merendeiras, o prefeito afirma que as instituições e os alunos não estão sendo prejudicados porque as demissões só ocorreram para cargos com mais de uma pessoa por turno na função.

 

 

 

Fonte: G1, com informações da TV Bahia

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui