Itabela, Guaratinga e Itagimirim vão debater conservação e uso sustentável da Mata Atlântica

Pedra do Oratório, em Guaratinga

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As oficinas dos Planos Municipais de Mata Atlântica no sul e extremo sul da Bahia continuarão na primeira semana de novembro. Gambá, SOS Mata Atlântica e as prefeituras municipais realizarão oficinas para diagnosticar junto com a sociedade civil e poder público local o estado de conservação, o uso e conflitos acerca da Mata Atlântica nos municípios de Itabela (dia 4), Guaratinga (5) e Itagimirim (7).

As oficinas fazem parte da construção do Plano Municipal de Mata Atlântica dos três municípios. O diagnóstico levanta as potencialidades, ameaças e fraquezas da conservação na área para embasar a construção do plano de ação, cujo objetivo é criar estratégias para o uso sustentável da Mata Atlântica no município. Dado o papel estratégico deste plano de ação e a necessidade de contemplar diferentes formas de uso sustentável do território e da Mata Atlântica, é fundamental a ampla participação social na elaboração do diagnóstico. Por isso, a equipe do projeto tem se empenhado em mobilizar representações de diversos setores da sociedade civil e do poder público dos municípios, garantindo as condições para que o processo seja feito participativamente.

Para Renato Cunha, coordenador do projeto no Gambá, “o Plano de Mata Atlântica é uma ferramenta importante para a gestão territorial local. Ele contribui para uma melhor gestão ambiental do município, porque propicia que ele possa encarar seus próprios problemas através de um sistema de gestão. Sem precisar esperar o governo federal ou estadual para a implementação das políticas de conservação e recuperação do bioma, como geralmente vem acontecendo”.

A construção do diagnóstico de Mata Atlântica de Itabela, Guaratinga e Itagimirim faz parte do projeto executado pelo Gambá e SOS Mata Atlântica, em parceria com a Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente – ANAMMA, WWF, Conservação Internacional, Veracel Celulose, Rede de ONGs da Mata Atlântica, Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e prefeituras. Serão realizados os Planos Municipais de Conservação e Recuperação de Mata Atlântica de 9 municípios do sul e extremo sul da Bahia: Belmonte, Canavieiras, Eunápolis, Mascote, Guaratinga, Itabela, Itagimirim, Itapebi e Santa Cruz Cabrália.

Planos Municipais de Mata Atlântica

O Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica é um instrumento previsto na Lei da Mata Atlântica (nº 11.428/06), que deve ser pactuado entre diversos atores sociais para pautar políticas públicas de conservação da Mata Atlântica. Ele é composto de um diagnóstico da situação do município e um plano de ação visando o futuro.

Após ser construído de forma participativa, o plano deve ser aprovado pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente e, com isso, o município pode pleitear financiamentos do Fundo de Restauração do Bioma Mata Atlântica, assim que ele for regulamentado.

Serviço

Oficina de diagnóstico do Plano Municipal de Mata Atlântica de Itabela

Quando: 04/11/2014

Onde: Rotary Clube de Itabela, Avenida Guaratinga, s/n – Itabela (BA)

Horário: 8:30 às 17h

 

Oficina de diagnóstico do Plano Municipal de Mata Atlântica de Guaratinga

Quando: 05/11/2014

Onde: Centro Cultural de Guaratinga, avenida JK, S/N (em frente à prefeitura) – Centro, Guaratinga (BA)

Horário: 8:30 às 17h

 

Oficina de diagnóstico do Plano Municipal de Mata Atlântica de Itagimirim

Quando: 07/11/2014

Onde: Ginásio de Esportes de Itagimirim, Rua Padre Raimundo, S/N – Centro, Itagimirim (BA)

Horário: 8:30 às 17h

 

Para informações de como participar, entrar em contato com Osvaldina: (73) 9152 1090 (TIM), 9994 1463 (VIVO) ou 8848 8592 (OI) – [email protected]

 

Mais sobre Gambá e a Fundação SOS Mata Atlântica

GAMBÁ – Organização Não Governamental sem fins lucrativos, fundada em abril de 1982, com a finalidade de promover a defesa, a preservação e conservação do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável. Para o Gambá, o princípio da conservação envolve as ações de preservação e recuperação como também a conscientização sobre o uso adequado dos recursos naturais, que por sua vez abrange as dimensões sociais, econômicas, ecológicas, culturais e espirituais.

Fundação SOS Mata Atlântica – Criada em 1986, é uma entidade sem fins lucrativos que trabalha pela proteção da Mata Atlântica e ecossistemas associados, visando à conservação da biodiversidade e à qualidade de vida. A ONG atua estimulando ações para o desenvolvimento sustentável, promovendo o conhecimento sobre a Mata Atlântica, mobilizando, capacitando e estimulando o exercício da cidadania socioambiental.

 

 

 

Fonte: Ascom

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui