H1N1: Vigilância Epidemiológica indica surto na Bahia

O H1N1 tem sintomas parecidos com a gripe comum, mas é seguida de muita tosse, febre alta, dores na garganta e cansaço

De janeiro a agosto deste ano, a Bahia registrou 46 casos de H1N1 e nove mortes. Segundo a Vigilância Epidemiológica, há um surto da gripe no estado. O número representa um aumento de 62% entre janeiro e agosto de 2013, comparado ao mesmo período do ano passado.

Em 2012, foram 16 casos de H1N1, sem mortes. As baixas temperaturas do mês de agosto deixam a população mais vulnerável. O último caso foi na cidade de Juazeiro, Norte do estado, onde um homem morreu. O H1N1 tem sintomas parecidos com a gripe comum, mas é seguida de muita tosse, febre alta, dores na garganta e cansaço.

Juazeiro

Três casos de gripe H1N1 foram confirmados na semana passada em Juazeiro, cidade no Norte do estado, que fica a 500 quilômetros de Salvador. Um dos casos foi de um homem de 37 anos que morreu no dia 11 de agosto infectado com vírus da Influenza tipo A, depois de ficar internado com sintomas de gripe em um hospital privado de Petrolina.

Após o óbito, o hospital notificou a suspeita de infecção por H1N1 à Secretaria de Saúde de Juazeiro (Sesau), que realizou exames nas pessoas próximas ao paciente. Os outros dois casos tratam-se de pessoas que conviviam com o primeiro homem infectado. A secretaria começou o tratamento profilático deles antes mesmo da confirmação, com o medicamento Tamiflu, que está disponível na rede pública de saúde.

Segundo André Machado, diretor da Vigilância à Saúde de Juazeiro, esses são os primeiros casos de Influenza tipo A confirmados na cidade. “A Secretaria de Saúde sempre esteve preparada para isso”, diz o diretor. Segundo ele, não há risco de epidemia, já que a última campanha de vacinação contra o vírus, que aconteceu em abril deste ano, conseguiu cumprir a meta do Ministério da Saúde de vacinar o mínimo de 80% do público alvo da campanha na cidade.

Segundo a Sesau a cobertura da campanha chegou a 82,71% (totalizando 28,9 mil pessoas), entre ele idosos com 60 anos ou mais, trabalhadores de saúde, gestantes, crianças de 6 meses a menores de 2 anos, mulheres até 45 dias após o parto e portadores de doenças crônicas. Ainda segundo o diretor, o caso fatal tratava-se de um paciente obeso, portanto público alvo da campanha, que não tinha tomado a vacina. A Sesau está realizando busca ativa de pessoas que deveriam ter tomado a vacina e não tomaram, a fim de que sejam vacinadas.

Casos na Bahia

A gripe H1N1 é uma doença de notificação imediata, ou seja, devem ser notificados à Secretaria Municipal de Saúde todos os casos de sinais e sintomas compatíveis com a infecção. Ainda segundo o balanço da Sesab, a maior incidência de casos aconteceu em Salvador, que teve 20 pacientes infectados. Na maioria dos 46 casos, as pessoas tinham entre 30 e 39 anos.

A Sesab ainda recomenda cuidados à população, como lavar as mãos várias vezes ao dia, proteger tosse e espirro com lenço descartável, higienizar as mãos após tossir ou espirrar, não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas, manter os ambientes bem ventilados, evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza e procurar um serviço de saúde caso apresente os sintomas.

 

 

Fonte: Correio

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui