Gêmea siamesa separada por cirurgia é desentubada e respira sem ajuda de aparelhos

Jovem dá à luz a gêmeas siamesas — Foto: Sesab / Divulgação
Jovem dá à luz a gêmeas siamesas — Foto: Sesab / Divulgação

A gêmea siamesa que foi separada por cirurgia, Maylla Gabriely, foi desentubada e respira sem ajuda de aparelhos na Maternidade de Referência José Maria de Magalhães Netto, em Salvador. A informação foi confirmada pela médica Célia Britto, cirurgiã da maternidade, nesta sexta-feira (13).

A recém-nascida segue em observação na unidade de saúde desde a semana passada, quando passou pela cirurgia de separação da irmã, que morreu horas após o procedimento. Elas nasceram em 29 de outubro, no mesmo hospital onde foi realizado a cirurgia.

De acordo com a médica Célia Britto, Maylla também já recebeu alimentação após ter sido desentubada na tarde desta sexta. Além disso, a recém-nascida não está mais fazendo uso dos medicamentos usados no tratamento de terapia intensiva.

Ainda conforme a médica Célia, a bebê Maylla possui cardiopatia, sendo ainda um fator de risco, mas apresentou uma melhora no quadro de saúde e segue estável.

Caso

Fachada da Maternidade de Referência José Maria de Magalhães Netto, em Salvador, na Bahia — Foto: Victor Silveira/TV Bahia
Fachada da Maternidade de Referência José Maria de Magalhães Netto, em Salvador, na Bahia — Foto: Victor Silveira/TV Bahia

As irmãs nasceram na Marternidade de Referência José Maria de Magalhães Netto, no dia 29 de outubro. Na ocasião, a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) explicou que, na avaliação preliminar, as gêmeas siamesas estavam interligadas apenas pelo fígado.

No dia 6 de novembro, as bebês passaram por uma cirurgia de separação durante a madrugada. Inicialmente, a previsão era de que o procedimento fosse feito dentro de um mês, mas precisou ser antecipada após piora no estado de saúde de uma das irmãs.

O procedimento foi feito pela médica Célia Britto, cirurgiã da maternidade, e também pelo cirurgião pediátrico de Goiás Zacharias Calil. Após a cirurgia, as irmãs seguiram em observação já que, apesar da cirurgia ter ocorrido bem, o bebês tinham condição de saúde grave, conforme a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab).

A pequena Aila morreu horas após ter passado pela cirurgia de separação. Não há detalhes do horário exato da morte da recém-nascida.

Fonte: G1BA

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui