Farmácia de manipulação animal dribla a crise e cresce em Salvador

Farmácia de manipulação animal dribla a crise e cresce em Salvador. Foto: Divulgação
Sem ter sido atingido pela crise econômica, o mercado para pets no Brasil está em franco crescimento. Mas não pense que só os veterinários podem empreender no ramo. Com a chegada das farmácias de manipulação para animais, uma nova oportunidade surge para os farmacêuticos. Só que, para isso, é preciso buscar especialização técnica e ter uma veia empreendedora, como explica Genario Santos, proprietário da Farma Animal, empresa criada em Salvador ao lado de Nívea Negreiros, que atua há 1 ano e 10 meses na área.
“Eu e minha sócia buscamos capacitação, já que nossa expertise é outra. Na época que iniciamos a sociedade, éramos colegas na farmácia hospitalar do Hospital das Clínicas, em Salvador. Já conhecíamos sobre farmacotécnica, operações, fórmula farmacêutica e tínhamos um pouco de traquejo com a manipulação, tanto estéreo, quanto não estéreo. E isso nos ajudou bastante a desvendar e buscar informações sobre a manipulação veterinária. Foi uma experiencia maravilhosa. Tanto a busca por conhecimento nessa área, como também aprender a ser empreendedor”, garante.
Atualmente, apenas Genario segue atuando como farmacêutico hospitalar. Nívea já se dedica exclusivamente aos cuidados do empreendimento. E ambos garantem: É rentável! Apesar de, como bons empresários, não revelarem os números da empresa. “Desde sempre quis ter comércio. Sou farmacêutica e trabalhei muitos anos com manipulação magistral, nutrição parenteral e quimioterapia. Quando apareceu a oportunidade de abrir a farmácia de manipulação veterinária foi o casamento perfeito da minha vontade de empreender com a minha profissão, aliada ao amor por animais. Os desafios são muitos e constantes, mas encaro com serenidade, pois o retorno é muito positivo”, pontuou a farmacêutica. “Há um faturamento considerável e acredito que as universidades precisam acompanhar as necessidades do mercado”, afirma Genario, indicando um déficit nas grades curriculares das universidades atualmente.
Basta fazer uma pesquisa rápida na internet para evidenciar essa deficiência na matriz curricular dos cursos de farmácia na Bahia. Quatro entre cinco universidades consultadas tem apenas uma matéria ligada ao empreendedorismo, sendo que uma delas é ofertada apenas de maneira optativa. E uma não disponibiliza nenhuma disciplina ligada ao tema. Na Universidade Federal da Bahia, existe a matéria Administração de Empresas Farmacêuticas. Na Universidade Estadual de Feira de Santana, a disciplina Economia e Administração de Empresas Farmacêuticas. Na FTC é ofertado na grade curricular Liderança e Empreendedorismo e, na Unime, Empreendedorismo, mas de forma optativa. Na Famam, universidade localizada em Governador Mangabeira, não existe matéria sobre o tema na matriz curricular.
Se antes as farmácias comerciais eram o caminho mais comum trilhado por farmacêuticos empreendedores, hoje, com o crescimento das grandes redes, o nível de competitividade aumentou e é necessário um olhar atento para as novas perspectivas de mercado. A farmácia de manipulação veterinária é apenas uma das novas oportunidades para o profissional farmacêutico que deseja ser dono do próprio negócio. Genario, farmacêutico e empreendedor, aconselha: “A busca por conhecimento fora da universidade é extremamente importante”.  Mesmo fora dos bancos da universidade, o profissional de saúde deve estar sempre buscando atualização profissional. E, aos que desejam empreender, é necessário dominar conteúdos sobre administração e finanças.
Fonte: Nereida Albernaz

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui