Em Porto Seguro, feiras de produtos orgânicos vão até os clientes

Os agricultores e indígenas de Porto Seguro que estavam participando das feiras agroecológicas organizadas pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Agricultura, estão se adaptando a nova forma de comercializar seus produtos.

Devido ao isolamento social, cresceu a demanda por cestas semanais. Agora os produtos orgânicos vão até os clientes, para garantir que continuem consumindo alimentos saudáveis.

Foto: Ascom/Porto Seguro

As feiras continuam acontecendo, sextas pela manhã na Tarifa e aos sábados na praça São Brás em Arraial  d´Ajuda. A entrega semanal de cestas no centro de Porto Seguro também já era realizada, mas essa demanda cresceu, e muito, além de se estender até outras localidades, como Arraial d´Ajuda.

Quem informa é a coordenadora do projeto Selo Orgânico da Seagri, Adriana Rocha.

As entregas, que ocorriam somente uma vez por semana, agora são realizadas em três dias. Os clientes das feiras semanais que preferem não sair, agora recebem os produtos em casa.

Foto: Ascom/Porto Seguro

E novos clientes estão solicitando as entregas.

Além de hortaliças e verduras, na lista tem ainda produtos indígenas, como mel, bolo de puba e bolo de tapioca. Atualmente são entregues em torno de 120 cestas semanais.

Pedidos aumentaram

“Eu já entregava cestas no centro de Porto Seguro e também na Orla, além de participar das feiras semanais. Mas com o isolamento social, os pedidos aumentaram muito, foram 200 pessoas solicitando entregas, ainda não estou conseguindo atender a todos”, afirma Vera Lucia Nascimento dos Santos, agricultora e feirante.

Ela entrega uma média de 80 cestas duas vezes por semana, às quintas e sábados.

O também agricultor e feirante, Antônio Florêncio está fornecendo uma média de 30 cestas por semana em Arraial. Além das feiras e cestas, ele também faz parte do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), através do qual a Prefeitura adquire os produtos dos pequenos agricultores e fornece a entidades comunitárias.

“Nossos custos aumentaram com as entregas, mas é uma maneira nova de comercializar na situação de isolamento”, diz.

Foto: Ascom/Porto Seguro

Segundo a apicultora indígena e feirante, Antonia Gonsalves, “não dá mais para ficar à vontade com os clientes, conversando e trocando informações nas feiras, mas com as cestas mantive as vendas dos meus produtos. E com o aplicativo que estamos utilizando para as vendas  online estamos conquistando novos clientes”, comemora.

O engenheiro de alimentos, Marcus Andrade Junior consome os produtos da agricultura orgânica há três anos, quando conheceu o serviço de cestas orgânicas pelo grupo de WhatsApp.

“Em tempos de pandemia o serviço de entregas em casa é fundamental, para manter o distanciamento social como medida de contenção do vírus. Além disso, é uma forma de termos alimentos sempre frescos e saudáveis na mesa, com comodidade”, salienta.

Ele acredita que esse tipo de serviço veio para ficar e tem ganhado cada vez mais adeptos. “Sempre fui consumidor de alimentos orgânicos, pois como engenheiro de alimentos, sei da importância desse tipo de produto não apenas  para saúde, como também para o fortalecimento da agricultura familiar”.

Foto: Ascom/Porto Seguro

A Prefeitura de Porto Seguro, através da Secretaria de Agricultura e Pesca apóia e incentiva os agricultores e indígenas que desejam produzir alimentos saudáveis.

Por meio do Projeto Selo Orgânico, uma equipe técnica da Secretaria, acompanha e incentiva a produção e comercialização dos alimentos orgânicos. E também apóia e incentiva o processo de Certificação Orgânica Participativa da Rede de Agroecologia Povos da Mata.

Contatos dos agricultores que entregam cestas:

Porto Seguro e Orla, Vera: 73 98395396

Arraial, Antonia: 73 99457360 e Tais: 73 988996830

Acompanhe o Projeto Selo Orgânico nas redes sociais:  @projetoseloorgânico

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui