Diretor da Uneb/Eunápolis solicita a Rui recursos para construção de sede própria

Professor Wilson Araújo entrega ofício a Rui Costa. Foto Elizeu Portugal/OSollo

Durante a visita do governador Rui Costa a Teixeira de Freitas nesta sexta-feira, 27 de julho, para plenária territorial de elaboração do seu Plano de Governo Participativo (PGP) com vistas à reeleição, o diretor do Campus XVIII da Uneb, em Eunápolis, professor Wilson Araújo, entregou-lhe um ofício solicitando a liberação de recursos da ordem de R$ 7 milhões para construção da sede própria da instituição, que atualmente funciona em um imóvel cedido em comodato pela Veracel Celulose S/A, no bairro Stela Reis, na zona urbana da cidade.

Segundo o diretor, “a construção vai beneficiar mais de 500 estudantes da instituição em Eunápolis, que atende aos oito municípios da Costa do Descobrimento, com quatro cursos de graduação, pós-graduação e outros de extensão”. Este ano a Uneb acaba de conquistar o curso de mestrado na área de cultura e educação.

Wilson Araújo informou que “aproveitou o momento da reivindicação para anexar a cópia da Indicação de Número 22.489/2018, de autoria do deputado Jânio Natal, que aduz a necessária e importante concessão de R$ 7 milhões, através da Secretaria de Educação do Estado, para construção desse campus”.

O pedido do deputado, representante do sul da Bahia, foi acatado pela Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) e encaminhado ao governo do Estado em março passado.

O projeto de construção da Uneb prevê a junção da Universidade com o Centro Integrado de Educação de Eunápolis [antigo Colégio Clériston Andrade] por meio da implantação do curso superior de Pedagogia e prestação de assessoria pedagógica. A área é contígua ao CIEE, localizado na avenida Paulino Mendes Lima, no centro de Eunápolis.

Recentemente, OSollo divulgou a matéria “Prefeitura de Eunápolis invade terreno da Uneb/campus XVIII; caso está na Justiça”, dando conta do problema enfrentado pela comunidade acadêmica do campus XVIII da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), a qual entrou com embargo contra a Prefeitura de Eunápolis, que, segundo a instituição de ensino, estaria invadindo um terreno pertencente ao campus.  A área teria sido doada pelo Governo do Estado da Bahia em 2017, com o propósito de que fossem erguidas as edificações da sede própria da universidade, que está há 20 anos no município. Além disso, a Direção do Colégio Cleriston Andrade, parceiro da Uneb na área invadida, emitiu ofício para a Secretaria de Educação do Estado informando o ocorrido.

Na ocasião, a prefeitura de Eunápolis teria demolido o muro divisório do local e iniciava um novo, que já subtraia cerca de 500m² do terreno da Uneb. E, conforme o professor Wilson, o impasse perdura, restando pouco para o muro ser concluído pela Secretaria de Infraestrutura, e, com isso, ampliar uma rua que dá acesso a um condomínio fechado, denominado Jardins de Eunápolis.

Foto OSollo/divulgação

A perda vai além de espaço físico, ela é pior se observarmos as plantas e o projeto do prédio da instituição, cuja construção está prevista para começar ainda este ano. No espaço invadido pela PME serão construídas 20 salas de aula e o Centro administrativo do campus 18.

O projeto da universidade é audacioso, conforme o professor Wilson nos informou. A comunidade estudantil do Extremo Sul será beneficiada com uma moderna universidade pública. Dentre o previsto, terá quadra, academia ao ar livre, centro de hospitalidade para alunos de outras cidades, anfiteatro e muito mais. Todavia, o objetivo galgado por anos foi ameado pelas obras da prefeitura, e toda região pode perder caso não seja resolvido o impasse. O diretor do campus contou que a Uneb tenta manter a atua sede para que o novo campus possa ser um centro de pós-graduação que beneficiará todo Extremo Sul.

Com informações: Blog da Rose Marie

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui