Dia de luta das pessoas com deficiência: Maria Luiza Dall’Orto fala sobre a Pestalozzi em Teixeira

Maria Luiza Dall’Ortto. Foto: reprodução Facebook

Nesta segunda-feira, 21 de setembro, é comemorado o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência. A data foi oficializada em 2005, por meio da Lei nº 11.113, e foi escolhida devido ao início da primavera, estação em que ocorre a renovação das flores, metaforizando a luta dessas pessoas.

Para comemorar esse dia tão importante, o Jornal OSollo realizou uma entrevista com a Maria Luiza Dall’Orto, fundadora da Associação Pestalozzi, em Teixeira de Freitas.

A Instituição é filantrópica, sem fins lucrativos, e nasceu, na cidade, no ano de 1987. Tem por objetivo possibilitar educação especial com a visão inclusiva, auxiliando no desenvolvimento físico, mental, psicológico e social das pessoas com deficiências.

Maria Luiza conta que a Pestalozzi teve início por incentivo de sua cunhada, que estava começando esse mesmo projeto na cidade de Linhares/ES.

Segundo Maria Luiza, quando ela chegou em Teixeira de Freitas, observou que havia uma grande quantidade de pessoas com deficiência e que a cidade necessitava de um projeto como esse.  Ela conta que o espaço que hoje se situa a Pestalozzi, na época, estava prevista para ser uma lavanderia comunitária, mas a estrutura do espaço estava muito danificada.

Para as melhorias no local, foram promovidas festas beneficiadoras e leilões. A fundadora conta: “Quantos pedaços de tortas nós cortamos, quantas garrafas de refrigerante nós abrimos”.

Maria Luiza ainda expõe que a necessidade de atender esse público, mesmo não tendo filho ou filha deficiente, nasceu da inspiração divina: “É Deus, tinha que sobrar tempo na minha vida para cuidar desses filhos do coração que o Senhor me deu”.

Atualmente, a entidade dispõe de transporte escolar para assistidos da instituição, os quais recebem encaminhamentos de médicos e escolas do ensino regular, como auxílio na aprendizagem e no desenvolvimento, pois a Pestalozzi trabalha com oficinas que auxiliam e integram as famílias visando os aspectos sociais e psicológicos, como, por exemplo, artes, pinturas, artesanatos e esportes, como a capoeira.

A fundadora detalha sobre uma oficina chamada “Tecendo Cidadania”, na qual, juntamente com as mães dos assistidos, é feita a confecção de artesanatos, com a possibilidade de profissionalização.

O último projeto implantado pela instituição foi a Rádio Web, reconhecido por Maria Luiza como “audacioso”. Quem comanda o programa é um dos assistidos, que, como outros, tem habilidades para atuar na comunicação.

Frente a pandemia, a instituição está ajudando aos assistidos com muito amor e carinho, levando máscaras e álcool, orientando sobre as medidas protetivas, realizando o envio de atividades e apoio com cestas básicas.

Para projetos futuros, a Pestalozzi tem por objetivo ampliar o espaço para melhor acompanhar e auxiliar a todos que necessitarem.

“Aqui dentro só fica quem tem muito amor, mas, também, você sai dobrado de amor, porque eles fazem essa troca de energia com a gente”, finaliza Maria Luiza Dall’Orto.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui