Delegado-geral realiza abertura de capacitação para servidores

Delegado-geral realiza abertura de capacitação para servidores. Foto: Ascom/SSP

A Academia da Polícia Civil da Bahia (Acadepol) iniciou nesta terça-feira (24), uma capacitação para servidores da instituição sobre o atendimento especial na escuta de crianças e adolescentes, vítimas e testemunhas de violência. A capacitação está relacionada com a Lei 13.431/2017 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que garante a escuta protegida e evita a revitimização.

O curso tem como finalidade esclarecer e preparar os servidores para aplicação da lei e dessa forma, evitar que meninos e meninas não precisem repetir inúmeras vezes relatos das violências que sofreram ou presenciaram, para diversas instituições, desde escolas, conselhos tutelares, serviço de saúde, até o sistema Segurança Pública e Justiça. O evento segue até esta quinta-feira (26).

A abertura do evento foi realizada pelo delegado-geral Bernardino Brito Filho no auditório da Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz), na Avenida Barros Reis, na manhã de hoje. O delegado-geral, falou da importância de conhecer a lei nova. “Importante conhecer essa nova lei para melhor aplicá-la e para melhor servir nossas crianças e nossos adolescentes”, declarou.

O gestor também pediu aos policiais que aproveitem o conteúdo ao máximo. “Sejam bastante profissionais, com a sensibilidade e a humanização necessárias para que não seja preciso vitimizar crianças e adolescentes e estes possam se recuperar bem”, pontuou.

Iniciando a programação de palestras, a delegada-chefe da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente do Distrito Federal, Ana Cristina Melo Santiago, destacou a iniciativa da PCBA. “É a mais clara demonstração do compromisso dessa instituição com o enfrentamento desse tipo de violência, através do aprimoramento das atividades, que têm como objetivo a prestação de um serviço de qualidade na sociedade baiana”, avalia.

Ainda neste primeiro dia, a capacitação contou com as palestras da titular da Corregedoria da Polícia Civil da Bahia (Correpol), delegada Kátia Maria Brasil, professora Isabel Maria Oliveira Lima, que é juíza aposentada e atuante da justiça restaurativa, da promotora Eliana Elena Bloizi, da defensora pública Gisele Pereira Argolo, além da psicóloga e membro do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca), Ana Carla Nunes.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui