Consentimento

 

Não são as grandes mentiras, mas as pequenas, as meias verdades – as que se acumulam, uma sobre as outras, como um iceberg gigante de enganação. Quando isso explode, aí sim você está na merda. Hoje vivemos assim, estas confusões e contradições em toda informação.

Tantas coisas que lemos e assistimos e teremos mais amanhã e na outra semana. Como se o futuro fosse uma frágil promessa. Gotas amargas de meias verdades que queimam sua alma e fazem seu estômago se contrair. Um estado mental em que questões triviais do cotidiano desaparecem e os fatos que na realidade parecem interrogações que se insinuam pelas bordas de seu pensamento, vem a tona com toda força. Hoje existe um rolo compressor de meias verdades, não tem condições de saber detalhes ou verdades, somos atropelados por milhares de informações seguintes a todo instante.

Não temos condições de reconstruir eventos da semana passada, na sua cabeça milhares de telas do celular já passaram. É como caminhar num mundo novo sempre que acorda e quando o sol começar a desaparecer no horizonte milhares de conexões ou sinapses cerebrais terão desaparecido é impossível fixar tudo. As mulas, durante três séculos, foram as responsáveis pela conexão de São Paulo com o restante do Brasil. No lombo da mula dom Pedro I subiu a Serra do Mar para, ao chegar ao Ipiranga proclamar a independência do Brasil.

Uma viagem de Salvador ao Rio de Janeiro eram sete dias parando várias vezes, hoje de avião, uma hora e meia sendo bombardeado com tanta informação ou meias verdades.
Recebemos hoje fragmentos de informações. Sinto que hoje estamos afundando nas areias
movediças das necessidades demoníacas de atualização do saber, ou ficamos para trás e nos apagamos desta sociedade eletrizante.

*João é natural de Salvador, onde reside. Engenheiro civil e de segurança do trabalho, é perito da Justiça do Trabalho e Federal. Neste espaço, nos apresenta o mundo sob sua ótica. Acompanhe semanalmente no site www.osollo.com.br.

Nota: O conteúdo aqui publicado é de inteira responsabilidade do colunista que assina o texto.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui