Campanha ‘Setembro Amarelo’: cuidado com a dor silenciosa que pode matar

Campanha ‘Setembro Amarelo’: cuidado com a dor silenciosa que pode matar. Foto CVV

O mês de setembro é marcado pelo ‘Setembro Amarelo’, campanha de prevenção do suicídio. E atualmente, a mobilização do tema se faz necessária devido ao aumento destes casos em todo o país.

Segundo o psiquiatra Miguel Rezende, o suicídio já é considerado a quarta maior causa de morte no país. O trabalho de prevenção e ajuda aos que precisam são cada vez mais intensificados, principalmente, nesta época do ano.

Segundo o Centro de Valorização da Vida (CVV), a cada 45 minutos um brasileiro tira a própria vida, o que torna ainda mais alarmante o problema, pois tais números são superiores à taxa de mortalidade de muitos tipos de câncer.  O Centro aponta que em 2016 foram registrados 90 mil suicídios no Brasil.

Segundo matéria do Correio24h, na Bahia, a dor que não se fala mata uma pessoa por dia. Até 9 de novembro de 2017, o estado registrou, oficialmente, 373 suicídios – 23% dos casos foram cometidos por jovens entre 15 e 29, e 9% por idosos acima de 70 anos.

No Brasil, suicídio é a terceira causa de morte na juventude, atrás apenas de homicídios e acidentes de trânsito, de acordo com o Mapa da Violência (2014).

Ainda conforme o texto, os idosos representam as maiores taxas no país, com 8 suicídios para cada 100 mil habitantes. Entre 2002 e 2012, o Brasil passou de 4,4 para 5,3 suicidas por 100 mil habitantes, o que representa um crescimento de 20,3%. Em 2012, a Bahia tinha uma taxa de 3,4 suicídios por 100 mil habitantes, com um aumento de 92% no mesmo período.

Em 2016, foram computados no estado 412 suicídios de pessoas de distintas classes sociais, gêneros, escolaridades e profissões. A taxa foi de aproximadamente 2,7 suicidas por 100 mil habitantes, mas isso não significa que a luz amarela deva ser desligada.

Os números, inclusive, podem ser mais altos, pois nem todas as ocorrências são notificadas, o que é obrigatório no sistema de saúde brasileiro desde 2014. Além disso, alguns casos entram em outras estatísticas, como acidente de trânsito, por exemplo.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) é uma das mais antigas ONGs do país que oferece auxílio no assunto, com oferta de apoio emocional e prevenção ao suicídio 24h por dia. São quase 3 mil voluntários que, anualmente, atendem milhões de pessoas e tudo é mantido em absoluto sigilo. O atendimento é oferecido pelo telefone 188 (todos os dias, 24h por dia) ou pelo www.cvv.org.br via chat, e-mail etc.

Além disso, é importante que amigos e parentes próximos tenham atenção para identificar os sinais de ideias suicidas. Conforme especialistas, quando isso acontece, é importante acolher a pessoa e estar disposto e preparado a ouvir sem julgamentos as intenções de tirar a própria vida. Elas aparecem direta ou indiretamente, por meio de frases como “se pudesse, eu dormia e não acordava”“minha vida não tem sentido”“eu sou um fardo” ou “morrer seria um alívio para mim”.

Com informações CVV

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui