A parte de Deus e a nossa

“Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência.” (Colossenses 3.12)

A fé cristã apresenta-nos uma perspectiva da vida e convida-nos a crer e a assumi-la como nossa perspectiva para o dia-dia. A um cristão, não basta praticar liturgias. O culto cristão não é a execução de uma liturgia. Nossas liturgias tem a função de nos ensinar a praticarmos nosso culto, que acontece na vida. A amplitude e alcance da perspectiva cristã para a vida não pode ser percebida de imediato. É preciso caminhar pela fé, pois é na jornada cristã que aprenderemos de fato o que é ser um cristão. Paulatinamente iremos percebendo e juntando os pontos, por assim dizer. Ao ler as Escrituras podemos faze-lo precavidos por essa informação e aprendermos a perceber a perspectiva do Evangelho para a vida e coloca-la em prática. E isso deixará claro quanto dependemos da graça de Deus e da ação do Espírito Santo.

Por exemplo: podemos dividir o verso de hoje em duas partes: a primeira nos ensina o que Deus fez por nós; a segunda, o que devemos fazer por causa disso. Segundo o apóstolo, podemos nos considerar “povo escolhido de Deus, santo e amado”. Tudo isso são dádivas, resultado do amor de Deus. Como canta Jorge Camargo, Ele nos olha como somos e nos recebe como santos. Em seu amor, Deus nos aproximou de si, deu-nos acesso à Sua presença. Assim como o filho pródigo foi acolhido de volta na casa do pai, não como um empregado, mas como um filho amado, Deus faz com cada um de nós. Precisamos aprender a nos ver assim e permanecer nos lembrando de quem somos para Deus, por causa do amor de Deus. A primeira ideia do pródigo foi condenar-se para ter alguma chance com o seu pai – “já não sou digno de ser chamado seu filho”. Mas as coisas não funcionam assim com Deus. Devemos reconhecer nossos pecados, mas o que nos salva é crer no amor de Deus. Devemos responder a ele com fé e gratidão.

A segunda parte do verso diz respeito a um importante ajuste que devemos buscar. Como se virtudes fossem roupas que devemos escolher diariamente, o apóstolo pede: “revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência”. Uma atitude premeditada, intencional, consciente. Uma escolha. Paulo nos aconselha a viver ocupados na pratica do bem. Veja, as atitudes das quais devemos nos revestir, beneficiam os outros! Fazem de nós pessoas com quem é mais fácil conviver, resolver problemas e superar desavenças. Revestindo-nos delas teremos olhos para o necessitado, ouvidos para os aflitos e coração para os feridos. Na medida em que nos revestimos, nos tornamos. Na medida em que agimos guiados por essas virtudes, aprendemos a viver inspirados por elas. Deus já fez a parte dele. Dia a dia temos a oportunidade de fazer a nossa!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui