A crise ética brasileira

O Brasil está em crise. Nosso país está em crise. A crise é institucional, política e ética.

O Supremo Tribunal Federal aceita negociar suas decisões com réus acusados de corrupção. Ministros, que na verdade são juízes ( ao menos tinham que ser) e deveriam julgar de acordo com sua consciência e a lei, reúnem-se previamente com as partes do processo e “combinam” entre si qual decisão judicial será tomada.

A Câmara de Deputados, na calada da noite, tenta aprovar leis que garantam a impunidade de centenas de políticos e empresários corruptos. E pior, aprova leis para punir juízes, promotores e delegados que destemidamente vem mudando a história do país. Os nobres representantes do povo, aliás, tem mais do que nunca trabalhado para si próprios, pensando tão somente nos seus interesses.

O Poder Executivo em Brasília, comandado por um presidente que chegou ao poder através de um impeachment duvidoso, está enlameado de denúncias feitas por uma grande empreiteira, assim como seus principais ministros. Michel Temer também “pedalou”, mas parece que só as pedaladas do PT seriam suficientes para ensejar o afastamento de um presidente. As do PMDB, não.

Salta aos olhos Romero Jucá e Eliseu Padilha, homens fortes de Temer, envolvidos até o pescoço na Lavajato do Sérgio Moro, ditarem as regras políticas do Palácio do Planalto junto a Michel Temer, o qual também teria recebido propina da Odebrecht.

Causa muita desconfiança o empenho do nosso vice-presidente Michel em aprovar, com tanta pressa, uma reforma da previdência que nos levará a trabalhar pelo menos 60 anos para receber uma aposentadoria integral de pouco mais de cinco mil reais.

É uma canalhice dizerem que a previdência está quebrada por culpa dos trabalhadores que contribuem pouco para o INSS e estariam vivendo muito. Se é que a previdência está quebrada, porque muitos especialistas dizem que não está, o problema central do déficit previdenciário são as grande empresas e milhares de municípios, que descontam INSS dos seus empregados e não repassam os valores para o instituto.

Aliás, passando os olhos na internet semana passada, vi uma lista dos dez maiores devedores junto à União. A Vale do Rio Doce deve 42 bilhões de reais ao Governo Federal, a Petrobrás, mais de 15 bilhões, o Bradesco, pasmem, 4,8 bilhões. E querem nos convencer que o problema financeiro do Brasil decorre do aumento da expectativa de vida dos brasileiros e dos servidores públicos que ganham muito.

Mas querem saber! ?: A culpa é nossa !! Nós votamos nessas pessoas que estão aí em Brasília, depois ficamos torcendo para a polícia federal e a justiça colocá-las na cadeia.

Muitos dizem que os políticos eleitos não representam o povo. Estranhamente esse mesmo povo que escolhe não confia nas pessoas escolhidas que integram o Legislativo e o Executivo. Mais estranho ainda é o povo confiar mais no Judiciário, único poder da República cujos representantes não são eleitos por esse povo (graças a Deus, diga-se de passagem).

A crise de ética e moral por que passa o Brasil não está nos políticos. Está no povo. Está no nosso voto.

Cada dia mais tenho certeza de que o Congresso Nacional, comandado até há pouco tempo pelo agora prisioneiro Eduardo Cunha e pelo futuro prisioneiro Renan Calheiros (será que o Supremo terá peito para julgá-lo e condená-lo!?) é a representação mais fiel do caráter da nossa gente. Infelizmente !!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui