A arte de morrer

“Trazemos sempre em nosso corpo o morrer de Jesus, para que a vida de Jesus também seja revelada em nosso corpo. Pois nós, que estamos vivos, somos sempre entregues à morte por amor a Jesus, para que a sua vida também se manifeste em nosso corpo mortal. De modo que em nós atua a morte; mas em vocês, a vida.” (2 Coríntios 4.10-12)

É preciso morrer. Também não gosto da ideia, mas é verdade. Vamos tentar entender isso. Jesus, falando de sua própria morte, tomou como exemplo a semente do trigo dizendo: “se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto.” (Jo12.14) Em seguida Ele falou a nós, dizendo que é preciso que aprendamos a valorizar mais a vida eterna que a vida terrena (v.15), escolhendo morrer para esta, afim de viver para aquela. Eis uma lição difícil para nós. Mas Jesus não está dizendo que a vida terrena seja uma maldição e deva ser anulada pela negação completa. Mas que há circunstâncias em que precisaremos dizer “não” a ela. Quando? Quando o momento representar um caminho de contradição do caráter e da vontade de Deus. Aí será preciso morrer. E se o fizermos, daremos muito fruto.

Jesus afirmou que segui-lo exigiria a capacidade de não seguirmos a nós mesmos ou, em Suas palavras, a capacidade de negar a nós mesmos (Lc 9.23). Não se trata de aplicar este princípio a absolutamente tudo na vida. Num completo estranhamento da vida terrena. A ressalva é necessária porque há pessoas que tem dificuldades com prazeres legítimos e honrosos da vida, como se fossem pecaminosos, por entenderem errado as palavras de Jesus. O que Ele está dizendo é que será inevitável que precisemos fazer isso. Pois diante de tentações, só nos sairemos bem se morrermos para nós, se dissermos “não” a nós mesmos. Não é fácil, mas todas as vezes que, em respeito a Deus, dissermos “não” a nós, negando-nos para obedece-lo, teremos feito algo maravilhoso. Isso será uma benção para nós mesmos e também para outros. Creio ser esta a compreensão adequada para as palavras do apóstolo nos versos de hoje. Ele experimentou essa dinâmica que exigiu de si o aprendizado da arte de morrer.

Paulo disse que, entregue  à morte, experimentava a vida de Cristo. E que na operação da morte em si, seus leitores recebiam vida. Como pode ser isso? É que a submissão do apóstolo confirmava em si mesmo a vida eterna que havia recebido e o tornava uma fonte de benção para aqueles irmãos. Ele morria para si e recebia mais vida por meio dessa morte. E mais vivo para Deus, sua vida tornava-se dádiva para outros. O mesmo aplica-se a nós. Diante dos conflitos entre o que queremos e o que sabemos ser a vontade de Deus, precisamos aprender a arte de morrer, dizendo “não” a nós mesmos. Não se trata de uma negação desenfreada e sem propósito. Esta nos adoeceria. Mas de submissão, voluntária e consciente, à vontade de Deus. Dando a Ele a primazia em nossa vida. Essa é uma luta diária e é possível que hoje você se veja diante dela. Não tenha medo de morrer para si. Aprenda a arte de morrer. Este é um dos segredos de quem aprende verdadeiramente a viver.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui