PCO e MST emitem nota sobre caso envolvendo ministro do Meio Ambiente

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi alvo de agressões por parte de supostos integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST) e do Partido da Causa Operária (PCO), quando saía na quarta-feira, 27, de cerimônia comemorativa da concessão do Parque Nacional do Pau Brasil, em Porto Seguro (BA).

Saiba mais:

Salles disse que a Polícia Federal abriu investigação para apurar os fatos. Em mensagem no Instagram, o ministro postou fotos e um vídeo mostrando o carro em que estava sendo cercado por manifestantes. Um deles exibia o adesivo “Fora, Bolsonaro” colado na blusa.

MST E O PCO REBATEM – O MST e o PCO rebateram as acusações do ministro e dos demais servidores que o acompanhavam.

A assessoria de comunicação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra no sul da Bahia divulgou nota em que afirma que repudia o que chamou de “tentativa de criminalização” contra o MST. Disse que os manifestantes realizavam apenas uma manifestação contra a tentativa de privatização do Parque Nacional do Pau Brasil.

PCO DIVULGA NOTA

O PCO informou que não houve tentativa de agressão contra o ministro e as acusações dele são falsas. O partido divulgou uma nota no site Causa Operária, ligado ao PCO, em que afirma que o carro da comitiva do ministro foi jogado contra os manifestantes que protestavam contra a privatização do Parque.

Além disso, Antônio Carlos Silva, membro da Direção Nacional do PCO, fez uma transmissão ao vivo via YouTube, ainda na quarta-feira, para falar sobre o caso. Ele também negou as acusações de Salles e disse que houve uma “armação” contra os manifestantes.

“Ele fez lá uma cerimônia com assessores, com pessoas que provavelmente tenham interesse na privatização do parque. Quando os manifestantes chegaram, o ministro se retirou do local, foi correndo para o carro com assessores e tentou se evadir do local como um fujão, como uma pessoa, embora sendo um ministro, uma pessoa pública, que se recusa a dar as devidas explicações ao povo. O carro em que o ministro se encontrava se lança contra a multidão. Começa a acelerar, vai de encontro, inclusive ameaçando a vida dos manifestantes”, destacou.

Silva diz que não houve tentativa de agressão.

“Não acontece absolutamente nada que tenha a ver com agressão, como as alegações do ministro. Inclusive, nos vídeos, não há nada que mostre isso, nenhuma foto, nada. Aparece, inclusive nas imagens divulgadas pela imprensa e pelo próprio ministro policiais acompanhando ao lado dos manifestantes. Se tivesse acontecendo alguma coisa que tivesse colocado em risco o ministro, como ele alega falsamente, a polícia tava acompanhando. Não há nenhum enfrentamento, nada disso, apenas o pessoal tentando bloquear a ação agressiva da parte do carro que conduzia o ministro com seus assessores”, destacou.

O diretor do PCO ainda diz que uma bandeira foi roubada dos manifestantes e usada, segundo ele, para “armar” a cena em que o carro oficial aparece com o vidro quebrado.

“momentos depois que o ministro se retira em fuga, atitude covarde, medrosa, que tem medo do povo, medo de conversar com a população, uma bandeira é roubada por parte de alguns policiais. Roubam a bandeira de militantes do PCO que estavam no local, junto com companheiros do MST, de outros setores da esquerda, sindicatos. A bandeira é roubada e aí a gente vai ver algumas horas depois essa bandeira na foto. Se vocês verem a foto postada pelo ministro, é uma armação. O carro está vazio, com a porta aberta, uma bandeira do PCO colocada sobre o carro que supostamente teria o seu vidro quebrado e aparece a acusação do ministro de que tenham sido os manifestantes que fizeram isso daí. O carro foi colocado numa pose para a foto e quem roubou a bandeira, obviamente uma armação da polícia, da segurança do ministro, colocou lá para fazer uma armação e procurar criar uma provocação, numa atitude totalmente de falsificação contra o partido”, disse.

Antônio Carlos Silva ainda nega que o membro do partido cuja foto foi publicada pelo ministro tenha envolvimento com o caso.

“O ministro apresenta aí dossiê com colocações sobre o militante nosso que teria sido responsável por essa atitude, coisa que não houve. Fala de peças quebradas do carro, sendo que o carro se retirou, inclusive, as pressas do local”, destacou.

A assessoria de comunicação do ministro Ricardo Salles disse que não vai divulgar posicionamento sobre o caso, mas pediu que o G1 encaminhasse um e-mail para que o próprio ministro possa falar sobre o ocorrido. A reportagem aguarda um retorno dele.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui