Uneb: 30 anos de bons serviços

“Hominem augere” (Elevação do homem: lema do brasão da Uneb).

(Continuação)

Em breves linhas, eis o advento e o porquê da Universidade do Estado da Bahia, a Uneb!

Antes da Lei 7.176/97, a Uneb achava-se estruturada em Centros de Ensino Superior nas cidades de Salvador, Alagoinhas, Santo Antonio de Jesus, Serrinha, Conceição de Coité, Caetité, Guanambi, Senhor do Bonfim, Juazeiro, Barreiras, Valença, Paulo Afonso e Teixeira de Freitas em que o ensino superior priorizava a oferta de licenciaturas, preocupação voltada para a formação de docentes e em apoio às carências das redes escolares, iniciando-se incipientemente, em paralelo, as presenças de bacharelados nos campi de Salvador, Juazeiro e Barreiras, dentre outros.

A partir de então, configurou-se uma nova estrutura e dinâmica diferenciada na vida universitária unebiana, exatamente quando a profa. Ivete Alves do Sacramento assume sua Reitoria, no período 1998-2005, imprimindo ao longo de sua administração as transformações constantes da nova legislação que ensejaram o crescimento quanti-qualitativo da Universidade em todos os quadrantes do Estado da Bahia.

A Universidade alcançou 24 cidades-polo baianas, tornou-se referência nacional como Instituição presencial pluriespacial, instalou seus 24 campi e em 29 departamentos redesenhou novas ofertas de licenciaturas e bacharelados, ampliando os programas de extensão e pesquisa como segmentos cotidianos da vida acadêmica envolvendo docentes, alunos, técnicos e pessoal de apoio numa pedagogia apropriada aos novos tempos.

Como medida pioneira na Bahia e Nordeste, numa demonstração propositiva de ação inclusivista, implantou-se o Programa de Cotas visando apoiar os egressos de escolas públicas e de grande alcance social, mesmo enfrentando-se as incompreensões e polêmicas da época, medida posteriormente tornada de caráter nacional nas entidades federais, o que confirma concretamente o acerto daquela iniciativa de política afirmativa.

Reafirmando a sua concepção inicial de atender às demandas do hinterland, a Universidade idealizou o Programa Uneb 2000, em convênio com as Prefeituras da Bahia e, assim, milhares de professores em mais de duas centenas de municípios galgaram o ensino superior e obtiveram seus diplomas universitários, proporcionando-se qualidade de educação no ensino do primeiro e segundo graus, no viés da formação profissional dos seus docentes.

Sonho de muitos unebianos e instrumento destinado ao ensino com qualidade foi criado o programa de pós-graduação docente o que permitiu em médio prazo – ainda no Reitorado da profa. Ivete Alves do Sacramento – o incremento à pesquisa e, em consequência, o advento da pós-graduação lato e stricto senso em Salvador e interior do Estado, até então inexistentes, a exemplo dos mestrados em Santo Antonio de Jesus, Juazeiro, e mestrados e doutorado em Salvador.

Por mais de uma centena de licenciaturas e bacharelados, sua política de pós-graduação e de extensão, seus diversos programas de iniciação científica que acolhem docentes e discentes no âmbito da pesquisa em diferentes áreas do saber, por contar com mais de 25.000 alunos matriculados em 29 departamentos localizados em Salvador e mais 24 outras cidades, a Uneb está de parabéns aos completar, em 01 de junho, 30 anos de bons serviços prestados a Bahia.

Isto acentua a contribuição inegável do seu corpo docente e de pessoal de apoio que a construíram e a constroem, a cada dia a dia de trabalho devotado à causa do ensino e ao seu contínuo aperfeiçoamento didático-pedagógico, na perspectiva de uma Universidade democrática, gratuita e com qualidade, como anteviram e apregoavam os seus fundadores.

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui