Suposto esquema de corrupção pode ter irrigado campanha de Eduardo Campos e Marina Silva

alt

Um suposto esquema de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo a compra do avião no qual morreu o ex-governador Eduardo Campos (PSB) em agosto de 2014, pode ter irrigado a campanha presidencial da chapa que ele formava com Marina Silva em 2014, de acordo com a Polícia Federal. A PF deflagrou na manhã desta terça-feira (21) a Operação Turbulência, que investiga os proprietários da aeronave. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a PF informou que o esquema alvo da apuração também pode ter alimentado a campanha de Campos para governador em 2010. Quatro pessoas foram presas nesta terça, terça-feira (21), entre eles os empresários João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, Eduardo Freire Bezerra Leite e Apolo Santana Vieira, donos do Cessna Citation PR-AFA. A atuação do suspeitos, em Pernambuco e Goiás, pode ter movimentado cerca de R$ 600 milhões desde 2010. “Vimos que a movimentação financeira não foi só para a compra do avião. Eles [empresas de fachadas e laranjas, segundo as investigações] intercambiavam muito entre si. Desde 2010 as empresas tinham transações volumosas, que se intensificaram em 2014. Por coincidência ou não, as transações caíram após o acidente”, explicou a delegada Andréa Albuquerque. A empresa Câmara & Vasconcelos Locação, envolvida na aquisição da aeronave – e já citada pelo doleiro Alberto Youssef em delação premiada da Lava Jato – recebeu R$ 18,8 milhões da empreiteira OAS por locação e terraplanagem nas obras de transposição do Rio São Francisco. De acordo com a PF, a quantia pode ter sido utilizada para comprar a aeronave e para custear outras despesas e dívidas de campanha. As informações da operação Turbulência foram compartilhadas com a Lava Jato. Os dados referentes ao pagamento constam em um dos quatro inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal, tendo como investigado o senador pernambucano Fernando Bezerra Coelho, ex-ministro de Minas e Energia do governo Dilma. O esquema que teria gerado recursos para a compra do avião usou 18 contas bancárias, entre pessoas físicas e jurídicas. Há suspeita também de que os valores também foram repassados para a campanha de Coelho ao Senado. Considerado como um dos proprietários da aeronave pela PF, mesmo sem estar no quadro societário, Paulo Cesar de Barros Morato foi alvo de mandado de prisão preventiva, mas não foi localizado até o final desta manhã.

Fonte: Portal UOL

Foto: Portal Uol

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui