Sinais da experiência com Deus 4

“Então um dos serafins voou até mim trazendo uma brasa viva, que havia tirado do altar com uma tenaz. Com ela tocou a minha boca e disse: ‘Veja, isto tocou os seus lábios; por isso, a sua culpa será removida, e o seu pecado será perdoado’.” (Isaías 6.6-7)

Estamos caminhando com Isaías em sua experiência com Deus. A leitura e reflexão nela tem me ajudado a avaliar minha própria experiência com Deus. Somos de um outro tempo e se está lendo essas reflexões é bem possível que seja alguém envolvido com a prática religiosa. Temos diversos templos, diversos líderes. Temos muitas versões do livro Sagrado. Temos muitas músicas e muitos cultos. Há tanta opção que podemos facilmente não fazer outra coisa além de participar de eventos de fé, se desejarmos, tamanha a oferta. E há para todos os gostos. Há um sem número de livros, revistas, blogs, sites, canais de YouTube, estações e rádio e televisão… certamente esqueci alguma coisa… há coisas demais. Mas isso significa que estamos melhores, o mundo tem melhorado, nossas famílias estão melhores e somos pessoas melhores? Não. Porque experiências religiosas necessariamente não são experiências com Deus.

Havia uma questão que simbolizava a contradição de Deus na vida de Isaías – seus lábios impuros (v.5). Mas em sua experiência com Deus ele recebeu perdão. Algo do altar, do lugar da comunhão e da adoração, foi ofertado ao profeta. E o anjo pediu a Isaías para reconhecer isso: “Veja, isto tocou os seus lábios; por isso, a sua culpa será removida e o seu pecado perdoado”. A comunhão com Deus faz isso por nós. O perdão é uma dádiva da comunhão com Deus. Ele não perdoa estranhos pois o perdão de Deus não faria sentido se fosse apenas um “pode seguir sua vida que não vou lhe castigar”. O perdão de Deus é fruto do envolvimento dele conosco. O perdão de Deus nos coloca em pé e nos renova para a vida. Não há experiência com Deus sem experiência com o perdão de Deus. Se pensamos que estamos em comunhão com Ele e não percebemos o movimento do anjo trazendo brasas do altar, se não percebemos que Ele está nos perdoando e removendo culpas, é porque estamos achando que somos quem não somos e isso porque nos distraímos de Deus, perdendo-o de vista. E quando isso acontece, um ídolo aparece no lugar de Deus.

Somos pecadores. Gerson Borges canta algo muito interessante e apropriado: “Não é de vez em quando que eu peco, não é de vez em quando que Deus me perdoa: Eu sou pecador e Deus é amor! Não é que eu não queira a santidade, não é que eu não queira viver de verdade: Eu sou pecador e Deus é amor!”. E sabe qual o nome que ele deu a esta canção? “Meditação”. Nossa desatenção de Deus nos ilude sobre nós. E essa distração às vezes é promovida por nossas ações e agenda religiosa. Algo que pretensamente nos aproximaria de Deus acaba nos afastando. Algo que deveria nos dar mais clareza sobre Deus, sobre nós mesmos, sobre o nosso próximo e sobre a vida, nos torna obtusos. Que você viva experiência com Deus. Jamais deixe de perceber o perdão e a libertação que ela proporciona. Que isso lhe faça humilde e sensível aos seus iguais, os demais pecadores. E que sua religiosidade não seja fonte da distração, que não lhe distancie de Deus enquanto parece alimentar sua comunhão com Ele.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui