Se sancionado, pacote anticrime de Moro proíbe ‘saidinha’ como a de Suzane

Suzane foi uma das beneficiadas pela ‘saidinha de natal’. Foto: Divulgação

O pacote anticrime criado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, já aprovado proíbe a liberdade condicional e a “saidinha” de condenados por crime hediondo que resultaram em morte. Se sancionado, Suzane von Richthofen, Elize Matsunaga e Anna Carolina Jatobá não poderiam ter deixado a Penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo, nesta segunda-feira (23) para passar as festas em família.

O relator das medidas no Plenário, Lafayette Andrada, justificou a importância da medida: “não faz sentido, por exemplo, Suzane von Richthofen, que matou a mãe, ter saidinha no dia das mães”. Pelo texto, qualquer tipo de crime cometido com arma proibida terá a pena aumentada.

Após dez meses de negociações, o texto-base do pacote anticrime foi aprovado na Câmara no início deste mês de forma desidratada e sem as principais propostas apresentadas pelo ex-juiz da Lava-Jato.

Dois pontos considerados cruciais – a prisão após condenação em segunda instância e o trecho que ampliava o excludente de ilicitude, tratado por políticos como licença para matar – não foram aprovados. O texto-base foi aprovado por 408 votos a favor, 9 contrários e 2 abstenções.

“Saidinha de Natal”

Suzane von Richthofen, Elize Matsunaga e Anna Carolina Jatobá deixaram no início da manhã desta segunda-feira (23) a Penitenciária I de Tremembé, no interior de São Paulo. As três, que ficaram famosas pelos crimes de repercussão nacional, tiveram o benefício da “Saidinha de Natal”.

Elize Matsunaga, condenada por matar e esquartejar o marido Marcos Matsunaga, deixou a prisão a pé às 7h47, sorriu e entrou em um carro.

Condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni, de apenas 5 anos de idade, Anna Carolina Jatobá saiu na sequência, também a pé e entrou no carro que estava parado em frente ao portão principal da penitenciária. Alexandre Nardoni, pai de Isabela e também condenado pelo crime, foi beneficiado pela “Saidinha”e vai passar as festas em família.

A única exceção foi Suzane von Richthofen que deixou a cadeia às 7h51 em um carro escuro e não foi vista porque o veículo entrou na penitenciária para buscá-la. A medida atende uma orientação da Vara de Execuções Criminais que preferiu preservar a condenada pela morte dos pais Manfred Albert von Richthofen e Marísia von Richthofen diante da polêmica criada pelo lançamento de uma biografia sobre Suzane.

As três ficam 10 dias em liberdade para as festas de fim de ano, mas devem voltar à penitenciária no dia 2 de janeiro.

Fonte: R7

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui