“Que ano!” – Editorial edição impressa 371

Foto: reprodução

Que ano!!!

2020 termina assim, com essa expressão de alívio e gratidão.

Também, para tantos, o pesar do luto pelos que se foram – devido à covid-19 ou quaisquer outra razão.

De todo modo, uma coisa é certa: este ano entrou para a história e marcou a humanidade de forma singular.

Em toda a Terra ouviu-se falar sobre o novo coronavírus. Povos de todo planeta foram obrigados a adotar medidas universais de segurança a fim de frear o contágio, que, infelizmente, segue em crescente em muitos municípios, Estados e países mundo a fora.

A máscara pode ser item de proteção que vai perdurar ainda por muito tempo, segundo cientistas, pois o coronavírus é, realmente, novo. A literatura médica sobre ele está sendo redigida agora, com base nos erros e acertos de nossa contemporaneidade. Torcemos que tudo dê certo – pelo presente e pelo futuro!

Bares, teatros, pontos turísticos, praias, cidades fechadas. Escolas vazias, educação e professores recriando o fazer pedagógico. Educadores lutando contra o medo da doença e a tristeza da ausência do habitat natural, a sala de aula!

Alunos, pais, responsáveis… famílias engolidas pela obrigação de levar adiante um ano letivo que, para muitos, deveria ter sido cancelado. Aulas online, atividades remotas, educação remota – até nomenclatura teve que ser pensada para esta modalidade de ensino para a educação básica.

Muito choro… de filhos, pais, professores…

Muita demissão!

Mas, por outro lado, houve muita gente vendo nisto tudo o.p.o.r.t.u.n.i.d.a.d.e. Uma chance de reinventar-se, conhecer-se, aprimorar-se.

Houve muita coisa em 2020. Quem aqui chegou foi resiliente; muitos sem nem saber o que é sê-lo.

Abrir um parentes aqui para dar o significado de resiliência (capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças).

Pois bem. Fomos. Nos adaptamos a uma rotina estressante, a uma máscara sufocante, a novos horários para ir ao mercado, a usar álcool em gel, reaprendemos a importância de lavar as mãos, da higiene pessoal etc. etc. etc.

Só não podemos dizer que nos recobramos facilmente diante de tanto choro que 2020 causou, tanto medo e incerteza.

O ano está terminando e ainda estamos aqui, lutando contra o medo e retomando a vida, porque somos mutáveis, adaptáveis e inteligentes. Um vírus não vai nos parar.

2021 bate à porta e a gente o convida a entrar. Que venha cheio de esperança, que venha com vacina para todos. Para que escolas possam ser abertas, para que o abraço (que nutre, acalma, conforta) possa voltar a ser nossa linguagem universal de carinho para com o outro.

Que em 2021 estejamos novamente juntos, firmes, alicerçados em Jesus Cristo.

Desejamos boas festas.

Para 2021, mais boas notícias!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui