Quando a alma dói

“Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus” (Salmos 42.5)

A alma dói! Ela, como um osso, sofre fraturas. Se pudéssemos analisar a alma humana como podemos fazer com os ossos humanos, veríamos muitas fraturas e, dificilmente, não encontraríamos alguma fratura, em cada ser humano, ainda sem cura. A mais característica fratura da alma humana é a que nos define como pecadores. Somos pecadores, ou seja, agimos, pensamos, sentimos, planejamos e reagimos de maneira reprovável aos olhos de Deus. E isso acaba trazendo dor. Podemos definir pecado como aquilo que contradiz a vontade de Deus. O pecado traz dores para a alma e causa dores na alma dos outros. Nós nos afligimos com pecados, e com eles podemos causar dor em quem não participou do nosso pecado, mas que acaba sofrendo as consequências.

A alma também dói quando a vida nos abate. Quando algo acontece e somos impotentes para enfrentar. Quando a vida nos tira ou nos nega algo. A vida pode nos ferir de muitas maneiras diferentes. A vida não é justa. Nem sempre quem merece é premiado. Nem sempre quem merece é punido. Não temos controle sobre tudo. Na verdade, não temos controle sobre praticamente quase nada. O controle que julgamos ter normalmente é um controle aparente, circunstancial. E não bastasse a vida, tem as pessoas. Pessoas também causam dores na alma, na nossa alma. Seja de forma intencional ou não, com ou sem responsabilidade ou culpa, levianamente ou porque não tinham como evitar… pessoas também machucam nossa alma. E quando a alma dói, Deus é tanto a primeira como a última instância que devemos e podemos buscar.

Dependendo da dor, podemos precisar de remédio, de conversa, de confronto, de confissão, de abraço, de oportunidade… mas sempre podemos (e devemos) começar e terminar com Deus. Devemos ir a Deus e pedir ajuda. As vezes tudo se resolve com Ele. É ótimo quando é assim. Ele é tão gracioso e amoroso! Mas pode ser necessário alguém ou algo mais. E isso não tem a ver com quem Ele é ou pode, mas conosco: com quem somos e precisamos. Deus é maravilhoso no cuidado com almas em dor. Podemos confiar e crer nisso. Mesmo que em princípio nos pareça que Ele nada está fazendo ou fará. A alma do salmista insistentemente perguntava “Deus, onde estás? Por que te esquecestes de min? Por que meus inimigos estão prevalecendo e o Senhor nada faz?”(vv.9 e 10). E o salmista diz à própria alma: “Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.” (v.11) Quando sua alma doer, faça como o salmista! Coloque a sua esperança em Deus. Pois no final, será exatamente assim: você ainda o louvará. Pois Ele é o seu Salvador e o seu Deus.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui