Presidente do PT Bahia refuta matéria sobre Wagner ser plano B do PT para a Presidência

Presidente do PT da Bahia, Everaldo Anunciação. Foto: Roberto Viana/ bahia.ba

Com manchete “Operação da PF dificulta ‘plano B’ do PT ao Planalto”, matéria veiculada no Estadão na noite de ontem (26/02), após a ação da Polícia Federal durante Operação Cartão Vermelho, na casa do ex-governador da Bahia e atual secretário estadual de Desenvolvimento Econômico (SDE), Jaques Wagner (PT), citam que Wagner seria a alternativa a Lula, mas, tudo teria sido desarticulado com o indiciamento de Jaques por corrupção em inquérito que investiga desvios em estádio da Copa.

Trecho da matéria diz: “A operação da Polícia Federal que atingiu nesta segunda-feira o ex-governador da Bahia Jaques Wagner impôs mais dificuldades para o PT ter candidato próprio ao Palácio do Planalto. Cotado como possível opção petista na eleição presidencial caso Luiz Inácio Lula da Silva seja mesmo enquadrado na Lei da Ficha Limpa e fique impedido de disputar, Wagner foi indiciado. Ele é apontado em inquérito como destinatário de R$ 82 milhões, em propinas e caixa 2, desviados da obra de reconstrução do estádio da Fonte Nova, em Salvador”.

No entanto, nesta manhã, 27 de fevereiro, ao comentar o assunto, o presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação, foi enfático ao negar as informações do Estadão:  “O Estadão e a Folha de São Paulo querem pautar a estratégia do PT. Wagner não é plano B , porque o PT só tem plano L. O nosso plano é Lula”.

Para o petista, a grande mídia, o Judiciário e a Polícia Federal, ao acreditarem que Lula não será mais o candidato do PT a presidente, querem “desgastar a imagem” dos eventuais substitutos, o ex-governador Wagner e o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.

“Mas o Brasil já compreendeu o jogo. Essa defesa da moralidade e contra a corrupção é uma farsa. A sociedade despertou. O povo está vendo as coisas. Não adianta querer negar”, comentou.

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui