Prado: Secretaria de Educação mantém aulas durante o período de paralisação

A APLB Sindicato/Prado em sua última assembleia decidiu por greve por tempo indeterminado a partir da próxima sexta-feira (30/08) no município de Prado. Os profissionais da educação  estão reivindicando o pagamento imediato de 60% dos precatórios do Fundef, assunto que ainda juridicamente não está pacificado e a prefeita  Mayra Brito não está autorizada a efetuar o pagamento. A categoria pede também a revogação do Decreto de nº 78 de 2019 que trata sobre o plano de aplicação do recurso dos   40%  Fundef.

Segundo  a Secretária Municipal de Educação, Iralucia Sincorá,  a APLB  já comunicou  à secretaria de educação a GREVE. Iralucia destaca  que a secretaria vem se organizando para manter as aulas durante o período de paralisação. “Nós reconhecemos o direito da categoria,  mas também reconhecemos o direito dos nossos alunos dos 200 dias letivos. Nós sabemos que a reposição de aulas tanto para o professor como para os alunos e pais sempre é muito penoso. Para não comprometer o calendário a secretaria de educação planejou com professores substitutos manter as aulas até que é a greve seja solucionada, ou seja, os professores  retornem às suas atividades. Quero deixar bem claro que isso não está impedindo o direito de greve, mas está garantindo o direito do aluno e também daquele professor que por escolha não vai participar da greve,” destaca Iraucia.

Iralucia pede que os pais  levem seus filhos para as escolas municipais e creches que aulas continuarão dentro da normalidade. “Nós pedimos aos pais que estão preocupados que se acalmem, pois as escolas funcionarão normalmente no município.”

Fonte: G7

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui