Por uma igualdade menos desigual II

Jurista Taurino Araújo – Foto: Reprodução

Recebi, com muito orgulho e júbilo, o convite para escrever um breve artigo sobre a obra do TAURINO ARAÚJO, que tem por título “A Hermenêutica da Desigualdade”. Não haveria momento mais propício para fazê-lo do que este em que vivemos os efeitos da pandemia da COVID-19, pois foi exatamente aí que saímos da teoria para a “praxis”…

A obra, por sem dúvida, é de vanguarda e como tal desperta a atenção e o interesse de quantos mourejam no campo do Direito, como nos demais ramos do conhecimento ligados aos aspectos sócio-filosóficos. Exatamente por isso, pode ser que encontre a resistência daqueles que se acham aferrolhados, dentro de uma visão restrita e cartesiana. Mas nisso reside a grandeza de sua mensagem, porque inovar é para poucos e são estes que constroem o futuro. Afinal, estamos ou não a todo momento sendo desafiados pela Esfinge a decifrar-lhe os enigmas interpostos no caminho?

A obra de Taurino se propõe – e consegue – desvendar esses enigmas, fazendo-o com maestria inigualável. Para tanto, buscou superar, como bem diz o autor, “o inconveniente de se tratar de um saber anistórico, pois enquanto a desigualdade formal independe dos condicionamentos sociais concretos, esta hermenêutica da desigualdade reporta-se à situação determinada, de cunho global, ocorrente nos diversos sistemas de justiça, não apenas no sentido de identificá-la, mas de diminuí-la”, não através da law in the books”, mas da “law in action”.

A construção da tese esposada pelo autor não é fruto da observação solitária de um cientista social encastelado em torre de marfim, examinando a realidade por meio de pipetas ou de tubo de ensaio, mas da vivência compartilhada, resultado da experiência de uma “praxis” crítica que consiga enxergar não apenas o que se passa no palco dos acontecimentos, como, igualmente e sobretudo, na coxia do teatro da vida.

De nada adianta ao homem conquistar o espaço, construir telescópios monumentais para observar o universo, aperfeiçoar chips e computadores, dominar a robótica, se não conseguir fazer com que as desigualdades sociais sejam diminuídas e um dia, quem sabe, inteiramente anuladas e extirpadas.

Jamais se perca de vista que fomos feitos semelhantes uns aos outros, mas por um grande equívoco histórico, como se fora um desvio de curso, fizemo-nos dessemelhantes, evidenciando o lado mais cruel da natureza humana. Espero que, navegantes que somos nessa imensidão que é o mar da vida, assim como os antigos argonautas se orientavam pelas estrelas, também nós possamos nos guiar por essa obra luminar, a fim de alcançarmos um lugar em que a igualdade seja a regra e a desigualdade, não uma exceção, mas apenas uma lembrança de tempos sepultos.

Por Sérgio Habib. Professor de Direito Penal. Advogado Criminal.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui