Os números

Abril. Está chuviscando…
Eu tenho de salvar alguns lugares para as minhas lembranças. Importante é agora essa imagem que se forma na lente mágica, transparente como a própria manhã.

Mar, pessoas, planos. A vida no futuro, intocada. Plena. Mas os números estão por toda parte, número de mortes, índice de desmatamento, percentuais de feminicídio, número de vacinados, percentual de desempregados, no entanto, o cheiro do mar não tem nada a aver com isto e eu sinto o aroma reconfortante enquanto ando na orla.

Pássaros pairam sobre minha cabeças, indiferentes a tudo. Gostaria de criar asas e juntar-se a eles em seu voo, já que com os números parece que encolho e fico longe da vida.

Passei um bom tempo sentado à margem olhando o mar, deixando o torpor invadir-me, enquanto o sol forte mergulhava ainda mais fundo no horizonte. A luz já ia sumindo. À tarde, a fumaça da poluição do tráfego enegrecia o sol e vi a diferença entre uma cabeça cheia de números e o entardecer, e entendi de que maneira uma cabeça cheia de detalhes podia interagir com uma barra de pesquisa vazia no Google.

Já não sei há quanto tempo estou aqui olhando o mar. O máximo que posso fazer é descrever isto aqui como ter consciência, mas não corpo, movimento, expressão. Consigo ver tudo ao meu redor e, no entanto, meus olhos se recusam a se abrir. Sou capaz de ouvir todos os sons, mas não de me fazer ouvir. Estou sozinho e, todavia, sempre cercado de gente.

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui