Ore mais e ore melhor

“Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos.” (Efésios 6.18)

Orar é uma experiência que tem suas motivações e formas próprias, dependendo do grupo religioso. Não oramos todos do mesmo jeito. Não oramos todos com os mesmos propósitos ou pelas mesmas motivações. Em minha experiência pastoral tenho ouvido de tudo um pouco. E tenho lido livros com ideias as mais diversas sobre oração. Algumas até bem estranhas, segundo minha sensatez cristã. Orar é importante. Será que estamos orando como devemos? É somente uma questão de quantidade ou também envolve qualidade?

Quanto mais orarmos, melhor. Mas é importante entendermos que intensidade ou quantidade de tempo dedicado à oração não é tudo. Não basta orar muito e intensamente. Devemos ter cuidado com as motivações pois há motivações erradas para se orar. E elas podem nos levar a orar muito. Porém, toda essa dedicação necessariamente não resultará em maturidade espiritual e saúde na vida. Nem todos que oram muito são pessoas maduras e saudáveis espiritualmente. E a razão está no que as leva a orar.

A cultura evangélica tem apresentado motivações diversas para a oração. Há quem ore tendo em vista serem fortalecidos, o que tanto pode significar estarem firmes como terem poder. Há quem ore por medo de ficar exposto pela falta de oração. Esse medo tanto pode ser algo que reflita a consciência do quanto se é fraco, quanto pode estar relacionado a uma visão de que, sem oração o Diabo estará liberado para causar problemas. Estes são apenas alguns exemplos das muitas possibilidades que envolvem a oração.
Paulo nos diz para orarmos em todas as ocasiões, com toda oração e súplica e por todos os santos, o que significa todos os irmãos e irmãs na fé, como você bem sabe. É um pedido claro para que sejamos dedicados à oração. Que motivação pode nos levar a orar assim, a orar sempre, sem cessar, como lemos em 1 Tessalonicenses 5.17?

Creio que a melhor e mais cristã motivação para orarmos seja o amor de Deus. Devemos orar em resposta ao amor incondicional de Deus. Orar porque Deus nos ama. Se orarmos apenas porque Ele tem poder e desejamos ter um pouco desse poder, oraremos mal. Se orarmos por medo da vida, de Deus ou do Diabo, não nos relacionaremos com Deus de forma verdadeira. Mas, se orarmos porque Deus nos ama, tudo que a oração precisa ser para nós, será. Tudo que Deus desejar nos dar por meio dela, receberemos.

A confiança no amor incondicional de Deus nos atrai para Deus, e orar será mais natural e menos um esforço. Oraremos com mais confiança por sabermos que somos amados e interpretaremos mais corretamente as respostas de Deus, pela mesma razão. Deus nem sempre nos responde como desejamos, mas sempre nos responde como deve e para o nosso bem. E entenderemos melhor isso.

A confiança no amor incondicional de Deus nos dará segurança para orar em toda a circunstância, mesmo quando tivermos fracassado de alguma forma. Mesmo tendo sido atingidos pelo pecado e estando sob pesar ou culpa, oraremos e encontraremos perdão e libertação. O amor de Deus é a razão fundamental de orarmos e precisamos ficar nela.

Orar talvez seja fácil para você ou talvez seja um grande desafio. Seja como for, ore pela razão certa. Ore porque você tem um Abba, um Papai do Céu que é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor (Sl 103.8). Ore porque Deus tem por você um amor incondicional. Que tal um tempinho agora mesmo para uma boa conversa com Ele? Somente porque Ele ama você?

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui