Operação Vôo Legal é deflagrada no Aeroporto de Salvador

O objetivo principal é impedir a entrada de drogas, armas e contrabando no estado, no período que antecede o Carnaval e durante a folia. Foto: SSP/GOV

Coordenada pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), em parceria com Polícia Federal (PF), Receita Federal e apoio da Coordenação de Operações Especiais (COE), da Polícia Civil, a operação Vôo Legal, abordou cerca de 4 mil pessoas, desde o dia 17, quando foi deflagrada, no Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães, em Salvador.

A escolha dos vôos que serão vistoriados é feita pela Polícia Federal, baseada no conhecimento que detêm de rotas com maior probabilidade de flagrar traficantes e contrabandista. O objetivo principal é impedir a entrada de drogas, armas e contrabando no estado, no período que antecede o Carnaval e durante a folia.

Os cães farejadores da COE também estão de prontidão, caso haja suspeita da presença de drogas. Foto: SSP/GOV

 “O avião, então, é orientado a fazer o desembarque em local onde o fluxo é menor, evitando transtorno à rotina do aeroporto”, explica delegada Indira Croshere, da PF. Segundo o delegado André Garcia, do Draco, não existe perfil definido para pessoas que trazem drogas, por isso às abordagens são indiferentes ao gênero ou idade do cidadão.

As bagagens de todos os passageiros são submetidas aos scanners que podem revelar algum item suspeito. Caso isso ocorra, elas são revistadas pelos policiais e agentes que integram a operação. Os cães farejadores da COE também estão de prontidão, caso haja suspeita da presença de drogas.

 “Os cachorros são treinados desde filhotes para identificar o cheiro dos entorpecentes mesmo camuflados entre itens com odores muito ativos, como café”, explicou o investigador Bastos, da COE/PC.

Operações Pré- Carnaval

Ação faz parte de uma série de outras desenvolvidas pelo Draco, como descreve o delegado André Garcia. “Nesse período há um aumento de pessoas na cidade e, com isso, aumenta também o número de traficantes que tentam trazer drogas para comercializar na Capital”, salientou.

As bagagens de todos os passageiros são submetidas aos scanners que podem revelar algum item suspeito. Foto: SSP/BA

Com o objetivo de impedir que essas drogas cheguem a Salvador por outros meios, como o terrestre, marítimo e até por encomendas dos correios, as operações denominadas “Mar Seguro”, “Pista Limpa” e a “Correspondência Legal” ocorrem antes e durante a folia momesca.

Ascom/SSP/GOV

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui