Operação da Polícia Civil apreende 7 veículos roubados em Teixeira de Freitas

Sete automóveis foram apreendidos durante a operação Pokemon da Polícia Civil, sob a coordenação do delegado Marcus Vinicius, deflagrada no município de Teixeira de Freitas. A ação buscou coibir a comercialização de veículos roubados e furtados. Todos os carros apreendidos têm queixa de roubo, furto e clonagem, além de outros 12 carros com restrições de trânsito ou que circulavam de forma irregular, além de motociclistas sem Carteira Nacional de Habilitação e veículos com alienação fiduciária, entre outras irregularidades.

O delegado Charlton Fraga, que comandou a operação, explicou que de todos os carros apreendidos com restrições, apenas 7 se mantiveram recolhidos e já foram submetidos à perícia, embora existam restrições de furtos destes veículos. Entre eles um Cros Fox, cor prata, de placa HHW-6786 de Teófilo-Otoni-MG; um Volkswagen modelo Fox, cor vermelha, de placa ALX-2477 de Paranavaí-PR; um Capitiva Sport, cor preta, de placa MSZ-8840 de Vitória-ES; um Fiat/Strada, cor verde metálica, de placa HAV-0814 de Piarapora-MG; além de uma caminhonete Hilux e outras duas caminhonetes pokemons.

Ainda de acordo com o delegado Charlton Fraga, titular da Polícia Civil em Teixeira de Freitas, a operação Pokémon – nome utilizado para caracterizar veículos de “estouro” – foi desencadeada a partir de um balanço de roubos de automóveis na cidade. “Foi constatado, conforme estatísticas, que existiam muitos casos de veículos roubados e furtados em outros estados e sendo negociados em Teixeira de Freitas e decidimos coibir a prática”, esclareceu o delegado Charlton Fraga.

Pokemon é o nome dado a veículos decorrentes de furtos, roubos ou golpes a financiadoras. O delegado chefe da 8ª Coordenadoria Regional da Polícia Civil de Teixeira de Freitas, Marcus Vinicius, ressalvou que a operação teve como objetivo apreender veículos roubados, furtados ou resultado de “estouro”, golpe aplicado a partir de financiamento feito por “laranjas” e que nunca são pagos.

Enfatiza o delegado coordenador Marcus Vinicius, que a maioria dos que compram carros alvo de “estouro”, às vezes não têm nem a noção da gravidade do crime por ser tão comum comprar carros de estouro como são chamados pelos criminosos. Onde homens da roça com pouca informação são atraídos por pessoas criminosas que vendem estes veículos semi-novos por um preço bem baixo. Os carros são vendidos por menos de 50% do preço lá no interior, os primeiros donos compram os carros financiados e não pagam as prestações, depois vendem para onde não tem fiscalização.

O delegado Marcus Vinicius alerta que a todos aqueles que pretendem comprar carros pokemons ou clonados, visando um preço mais barato, que não adianta se arriscar porque a polícia vai aumentar a cada dia o cerco a estas ações ilícitas. Ele diz que não vale a pena comprar um veículo que nunca vai ser seu, e ainda correm um grande risco de pagarem caro por contribuir com os estelionatários e se forem pegos pela polícia perdem tudo, o carro e o dinheiro que pagaram.

 

Fonte: Athylla Borborema / Teixeira News

 

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui