O Reino de Deus e o dinheiro dos homens

“Então disse: Já sei o que vou fazer. Vou derrubar os meus celeiros e construir outros maiores, e ali guardarei toda a minha safra e todos os meus bens. E direi a mim mesmo: Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se. Contudo, Deus lhe disse: Insensato! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou? Assim acontece com quem guarda para si riquezas, mas não é rico para com Deus.” (Lucas 12.18-21)

Há muitas coisas com as quais nos ocupamos de forma errada. Na perspectiva de Jesus, tudo com o que nos ocupamos e para o que nos esforçamos mas que não se alinha ao Reino de Deus, não está sob a autoridade de Deus e o honra, é errado e tem o poder de nos destruir. É assim que se perde a vida enquanto se busca ganha-la (Lc 9.24). E uma das relações mais desafiadoras neste sentido, é a nossa com o dinheiro. Precisamos dele e por meio dele podemos realizar muitos desejos e sonhos. Podemos obter conforto e segurança num mundo em que é preciso poder pagar o preço das coisas. Mas essa não é toda a verdade sobre ele e nem sobre a vida.

O dinheiro não pode tudo e, na verdade, em última análise, na verdade pode muito menos do que precisamos e na medida que nos apegamos a ele, torna-se muito perigoso, potencializando nossos vícios e colocando em risco nossas virtudes. Ele mais produz orgulhosos que humildes, egoístas que generosos. O dinheiro pode nos cegar e iludir, levando-nos a esquecer que a vida deve ser sustentada por Deus e que é dele que vem o que nos faz felizes. Jesus está nos alertando sobre o perigo de o dinheiro torna-se nosso deus. Precisamos da ajuda de Deus para que ele seja nosso servo e nós, servos de Cristo.

Não é preciso ter muito dinheiro para sofrer sua má influência. Basta amá-lo, basta acreditar que ele é nossa grande necessidade, fazendo dele nosso alvo e vivendo para conquista-lo. Basta usufruí-lo, seja pouco ou muito, apenas para nós mesmos, sem submete-lo a Deus, honrando-o com o que temos. De forma sutil o dinheiro se torna sagrado para nós e até mesmo Deus torna-se um meio para obtê-lo. Somente os ricos para com Deus, que pela em submissão a Cristo usam o dinheiro em honra a Deus é que fazem dele uma benção, para si mesmos e para os outros. Dentre as muitas coisas que nos desviam da fé, o amor ao dinheiro é das mais perigosas. Tomemos cuidado!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui