O fio da navalha

Li o livro de Somerset Maugham “O fio da navalha” e uma frase ficou gravada na minha mente: “Os mortos são tão irremediavelmente mortos quando mortos”. E outra do mesmo autor no livro “Servidão Humana”: “Não adianta lamentar o vaso quebrado, quando todas as forças do universo se reuniram para derrubá-lo das nossas mãos”.

Em relação ao impacto da primeira frase dita por um amigo a outro morto no livro, assistimos ela ter sido repetida mais de cem mil vezes pelos parentes dos mortos nesta pandemia, é como cair num buraco, onde se perde a noção do tempo e do espaço e entra no redemoinho das forças do destinos nascer,crescer e morrer.

É muito difícil não se perder em si mesmo, quando não consegue, processa o que são cento e cinco mil mortes de brasileiros em apenas cinco meses. Parece que nossa vida era contemplada com o auxílio de uma pequena lanterna e sob uma iluminação artificial, e agora existe o clarão do pensamento lúcido que tanta morte produz.

Pode-se ver a glória, o bem público, o amor, a própria pátria sob a luz deste clarão. Talvez, a ação e o movimento, esses valores teóricos sejam materializados de forma mais humanas, como o holocausto trouxe o medo do nazismo estas mortes possam trazer mais respeito a vida humana, menos violência e mais amor, e apesar de não adiantar lamentar tantos vasos quebrados, eles sirvam de lição para uma vida mais plena de todos nós.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui