Músico Champignon é encontrado morto em sua casa em SP

Vizinhos acionaram polícia após ouvir barulho de tiro.

Em março, Chorão, parceiro de banda, morreu de overdose.

Champignon após saber da morte de Chorão em março. (Foto: Alex Falcão/Futura Press/Estadão Conteúdo)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O ex-integrante da banda Charlie Brown Jr. Luiz Carlos Leão Duarte Junior, conhecido como Champignon, foi encontrado morto com um tiro na boca na madrugada desta segunda-feira (9) em seu apartamento na região do Morumbi.

O baixista tinha 35 anos e estava em seu segundo casamento. A Polícia Civil investiga a hipótese de que ele tenha cometido suicídio. Vizinhos disseram que a polícia foi chamada depois de ouvirem barulho de tiro vindo do apartamento do baixista por volta de 0h30. Policiais militares e uma equipe do Samu foram ao local e já encontraram Champignon morto.

O corpo do baixista foi retirado do apartamento por funcionários do Instituto Médico-Legal (IML) pouco antes das 5h. O caso será registrado na 89º Delegacia de Polícia, em São Paulo.

A mulher do baixista, que estava em casa no momento do disparo, foi levada para um hospital da região em estado de choque.

O corretor de imóveis Alexandre Benaion, 40 anos, que mora no mesmo andar do apartamento do casal, foi o primeiro a chegar para prestar socorro. “Eu ouvi um tiro, fui ver o que era e o rapaz já estava caído, cheio de sangue”, disse. O corretor disse ter ficado surpreso com o suposto suicídio, porque o músico aparentava ser uma pessoa tranquila.

Segundo Benaion, a esposa de Champignon, que se chama Cláudia Campos, está gravida de 5 meses. O casal morava no apartamento, localizado no 10º andar, há cerca de um ano e seis meses.

Após o corpo ter sido achado, Cláudia foi levada para um hospital, em choque. “Ela estava abalada, gritando, não falou nada, só gritava”, disse. O apartamento do casal tem três quartos. O corpo foi achado no cômodo onde eram guardados equipamentos musicais.

O sargento da Polícia Militar Ronaldo Moreira disse ter encontrado apenas sinal de que um tiro foi disparado. “Nós entramos (no apartamento) tinha uns vizinhos lá dentro, mostraram para a gente o quarto, entramos e verificamos o Champignor no chão. Muito sangue. Uma arma na mão dele e achamos uma cápsula da arma e um projétil”, disse.

“Ela (mulher de Champignon) falou que eles tinham acabado de chegar do restaurante. Ele se fechou no quarto, ela escutou o estampido, o barulho do tiro, e depois foi pedir ajuda para o vizinho”, contou o policial.

Segundo o sargento, a arma do crime é uma pistola calibre 380. Aos policiais que atenderam a ocorrência a mulher disse que o baixista tinha a pistola e outras duas armas. A perícia já esteve no apartamento e levou uma sacola preta com objetos.

Trajetória

Champignon tinha 35 anos e nasceu em Santos, litoral paulista. O músico lançou vários discos com a banda Charlie Brown Jr, que deixou em 2005, após brigas com o vocalista Alexandre Magno Abrão, o Chorão.

Nessa época, participou de outros projetos, como o grupo Nove Mil Anjos, que tinha Junior Lima (irmão de Sandy) na bateria.

Em 2011, Champignon retornou ao Charlie Brown Jr. fazendo com que a banda voltasse a contar com a presença dos quatro integrantes da formação original de 1992: Marcão, Champignon, Chorão e Thiago Castanho, além do baterista Bruno Graveto, que passou a integrar o grupo em 2008.

Após a morte de Chorão, em 6 de março deste ano, os membros do Charlie Brown lançaram a banda ‘A Banca’, que tinha Champignon como vocalista.

A próxima apresentação do grupo seria no dia 21 de setembro em Recife, Pernambuco, com a turnê “Chorão Eterno”, show que homenageava além de Chorão, toda a trajetória da banda Charlie Brown Jr.

Duas perdas no mesmo ano

Em 2013, Champignon perdeu dois companheiros de banda entre março e maio: o parceiro Chorão e o guitarrista Peu Sousa, ex-colega de Nove Mil Anjos, encontrado morto em maio em sua casa, no bairro de Itapuã, em Salvador.

Chorão morreu por overdose de cocaína, enquanto a morte de Peu foi provocada por suicídio, segundo informou na época a Polícia Civil da Bahia.

Champignon falou sobre as mortes no dia 6 de maio. “Os dois perderam a fé. Quando perdem a fé, perdem a vontade de viver. Foi mais um dia muito triste”, disse o baixista. “Eu acho que as pessoas, em algum momento da vida, perdem a fé. Independentemente se morrem por droga, ou enforcadas. Se perdem a vida sem culpa de ninguém, acredito que em algum momento perderam a fé”, acrescentou.

Champignon morava em apartamento no Morumbi (Foto: Edson Temoteo/ Futura Press/ Estadão Conteúdo)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Tatiana Santiago e Letícia Macedo/G1

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui