MPF recomenda alteração no gabarito de exame da OAB

O Ministério Público Federal (MPF) encaminhou nesta sexta-feira, 4, recomendação ao Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) solicitando a concessão de cinco pontos para todos os candidatos que prestaram a primeira fase do atual exame da OAB, realizada em fevereiro. A proposta é compensar os bacharéis pela falta de questões relativas a direitos humanos, previstas em resolução do conselho, mas não incluídas na prova.

Assim que receber oficialmente o documento, o Conselho da OAB terá dez dias para dar uma resposta ao MPF. Se a OAB não informar quais as providências tomadas ou se tais providências forem consideradas insuficientes, o MPF pode levar o caso à Justiça.

O MPF decidiu enviar a recomendação depois de receber denúncias em todo o País de candidatos que se disseram prejudicados pela ausência das perguntas sobre direitos humanos. O documento encaminhado à OAB foi assinado pelos procuradores da República Osmar Veronese, que atua no Rio Grande do Sul, Jefferson Aparecido Dias, de São Paulo, e Bruno Araújo Soares Valente, da Procuradoria da República no Pará.

O provimento 136/2009 do Conselho da OAB, que estabelece normas e diretrizes para o exame, prevê um mínimo de 15% de questões relacionadas a direitos humanos, estatuto da advocacia e da OAB, regulamento geral e código de ética e disciplina. No entanto, o gabarito preliminar do exame registrou apenas dez questões sobre o tema estatuto e código de ética e nenhuma questão referente a direitos humanos.

Além de recomendar a concessão de cinco pontos para todos os candidatos do exame de fevereiro, os procuradores da República solicitaram à OAB que nos próximos exames sejam incluídas questões específicas de direitos humanos e que essas questões sejam claramente identificadas nas provas.


Fonte: Estadão

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui