Início Principal1

Milhares de doses de vacinas vencidas podem ter sido aplicadas no Brasil; Bahia nega prática

Foto: Carol Garcia/GOVBA

Várias secretarias de Saúde anunciaram, na sexta-feira, 2 de julho, que vão analisar os registros de aplicação de vacina da AstraZeneca contra a covid-19 fora da validade.

Levantamento feito pelo jornal Folha de S.Paulo apontou cerca de 26 mil notificações de aplicações de doses vencidas, apesar de o Ministério da Saúde e os estados afirmarem ter distribuído os lotes dentro do prazo. Já as prefeituras negam injeções irregulares e afirmam haver erros de registro — e preveem fazer nova checagem dos dados —, sobretudo no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). Não há registros de problemas semelhantes com fármacos de outros fabricantes.

O levantamento apontou que foram aplicadas doses fora da validade em 1.532 cidades. A cidade que mais teria aplicado vacinas vencidas foi Maringá (PR), que negou a possibilidade. De acordo com as autoridades municipais de saúde do município, o que aconteceu foi que a data de lançamento no sistema de informações está diferente da data da aplicação.

“Todas as doses recebidas foram aplicadas antes do vencimento. Ao realizar a transmissão das informações para Brasília, ocorreram problemas que já foram detectados e notificados ao Ministério da Saúde, no dia 11 de junho, para correção. O ministério respondeu aos nossos e-mails e a correção no sistema será feita”, explicou a coordenadora imunobiológica da Secretaria de Saúde de Maringá, Edilene Pires de Oliveira.

Investigação

Por conta das discrepâncias das informações, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) informaram que todos os casos de doses vencidas aplicadas na população serão investigados. “Não está descartado erro do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações, que, desde o início da Campanha de Vacinação, apresenta instabilidade no registro dos dados”, informaram os conselhos, em nota conjunta.

O Conass e o Conasems ressaltaram, ainda, que todos os profissionais destacados pelos municípios para aplicação das vacinas adotam as boas práticas de vacinação, inclusive a checagem do prazo de validade.

De acordo com a orientação do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO), caso alguma vacina seja administrada após o vencimento, essa dose não deverá ser considerada válida — deve-se recomeçar o ciclo vacinal, respeitando um intervalo de 28 dias entre as doses. A pessoa deverá ser acompanhado pela Secretaria de Saúde local. De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunologia, a vacina fora do prazo não é prejudicial. “A administração de dose vencida não implica risco à saúde. No entanto, como não há certeza se pode haver prejuízo a eficácia, recomenda-se repetir a dose”.

Imunizantes são indianos

Fabricante no Brasil da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em conjunto com a farmacêutica AstraZeneca, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ressaltou, ontem, que os lotes de doses que teriam sido aplicadas fora da validade não foram produzidos pela instituição. Segundo a instituição, parte dos lotes expostos na reportagem da Folha de S.Paulo é referente às primeiras vacinas importadas do Instituto Serum, da Índia, entre janeiro e fevereiro deste ano.

“Todas as doses das vacinas importadas da Índia foram entregues pela Fiocruz, em janeiro e fevereiro, dentro do prazo de validade e em concordância com o Ministério da Saúde”, explicou a Fundação, acrescentando que o restante dos lotes apontados foram fornecidos pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Já o Ministério da Saúde esclareceu que “de acordo com o Plano de Operacionalização, os estados e municípios que eventualmente tenham aplicado vacinas vencidas devem fazer a busca ativa e monitorar os casos. As doses aplicadas não devem ser consideradas válidas”. E acrescenta: “A recomendação é que a vacina seja reaplicada com um intervalo de 28 dias. A pasta destaca, ainda, que não distribui doses de vacina vencidas aos estados e Distrito Federal, e acompanha rigorosamente todos os prazos de validade das vacinas covid-19 recebidas e distribuídas”.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por sua vez, se manifestou dizendo que não foi consultada sobre aplicação da vacina da AstraZeneca fora do prazo de validade definido pela bula. Isso porque, recentemente, a diretoria da autarquia autorizou a ampliação do prazo de validade da vacina da Janssen de três para quatro meses e meio.

No caso da vacina da AstraZeneca, a “agência não recebeu pedido de análise sobre a ampliação do prazo de validade”.

Sesab nega aplicação de vacinas com validade vencida; veja nota abaixo:

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia esclarece que não houve aplicação de doses de vacina contra Covid-19 com data de validade vencida em Salvador e outros municípios, a exemplo de Juazeiro, como está sendo erroneamente divulgado.

Conforme explica a superintendente de Vigilância e Proteção da Saúde (Suvisa), Rívia Barros, os imunizantes foram aplicados no prazo de validade, mas a notificação, ou seja, o registro no sistema do Ministério da Saúde ocorreu depois da data de vencimento da vacina.

A Sesab acrescenta que pode também ter acontecido um erro de digitação no sistema do Ministério da Saúde.

Informações: Folha e Correio Braziliense

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui