Mergulhados na trindade

“…batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mateus 28.19)

É ministério de todo discípulo fazer discípulos. Não discípulos para nós mesmos, não seguidores de nossas ideias, mas seguidores de Cristo. Não precisamos mudar de cidade ou de país e nem mudar de carreira, embora alguns sintam-se chamados a fazer isso, para cumprimos a grande comissão. Ela é para ser vivida onde estamos, enquanto fazemos o que fazemos. Donas de casa, estudantes, vendedores, empresárias, professores, advogadas ou juízas, não importa a profissão ou a ocupação, enquanto seguimos com nossas vidas devemos fazer discípulos.

Os discípulos devem ser batizados em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Bem, aí nossa religiosidade criou uma limitação: somente pastores podem batizar! Outra coisa que nossa religiosidade fez foi: o batismo passou a marcar, não o discipulado exatamente, mas o ingresso na instituição religiosa. Aqueles que são batizados tornam-se membros da igreja. A verdade é que esses ajustes são nossos. Não são parte da proposta original. Mas, isso não é o problema mais sério.

O batismo é um símbolo. Sabemos disso. Mas pensamos muito pouco no que ele simboliza. Batizar significa mergulhar, literalmente. Batizar em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo significa que devemos mergulhar o discípulo que está nascendo no Pai, no Filho e no Espírito Santo. O que envolve instruí-lo e ajudá-lo a conhecer e estar completamente envolvido no amor do Pai e na graça do Filho e na unção e na direção do Espírito Santo. Não poderemos viver como discípulos sem estar assim mergulhados e não faremos discípulos de Jesus sem que nós mesmos vivamos assim submersos, envolvidos por todos os lados com a Trindade.

Cada discípulo de Cristo precisa saber, crer e celebrar o grande amor de Deus por si. Esse amor cura, fortalece, dá sentido à vida. Precisa também depender e ser grato pela maravilhosa graça do Filho. Por essa graça, apesar de falhas ou quedas, sempre seremos filhos amados, nada, nada nos separará do amor do Pai. Por ela somos encorajados e somos libertos. Do contrário estaríamos lutando sem sucesso para corresponder ao padrão divino. A graça nos completa!

Cada discípulo de Cristo precisa ansiar e buscar uma relação profunda com o Espírito Santo. Ele nos guia ao aperfeiçoamento que torna nosso testemunho mais vivo e útil ao Reino de Deus. Ele nos ajuda a superar nossas limitações e nos envolve nos propósitos e projetos divinos.

Quem sabe fazer tudo isso? Aqueles que, apesar das fragilidades e fraquezas, estão batizados no Pai, no Filho e no Espírito. Quem está no caminho pode servir de inspiração para que outros escolham o mesmo caminho. É onde eu e você devemos estar. Esse ministério é nosso. Vivamos o seguimento a Cristo e levemos outros a fazerem o mesmo!

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui