Médicos voltam a denunciar atraso salarial no Hospital Luís Eduardo, em Porto Seguro

Confira o que diz o instituto que administra o hospital

Médicos voltam a denunciar atraso salarial no Hospital Luís Eduardo, em Porto Seguro – Foto: Reprodução

E o atraso salarial volta a ser destaque no Hospital Regional Dep. Luís Eduardo Magalhães (HRDLEM), localizado em Porto Seguro. Nesta segunda-feira, 23 de novembro, o corpo clínico do hospital realizou um ato simbólico denunciando e alertando para as situações que a equipe estaria enfrentando.

Em nota, assinada pelo Corpo Clínico da unidade, os profissionais voltam a reclamar de atraso no pagamento dos salários. Aqui no Jornal OSollo, em outras oportunidades, evidenciamos o assunto.

Sesab repassou mais de R$ 3,9 mi nos últimos 30 dias para empresa que administra hospital em Porto Seguro

Em nota, HRDLEM afirma que não há atraso de três meses; último pagamento venceu em 20/5

Médica de Porto Seguro denuncia os frequentes atrasos salariais no Hospital Regional

Desta vez, segundo o texto que recebemos, “no momento, os médicos estão com dois meses de salário atrasados”, por isso, “em ato simbólico, daremos um abraço coletivo no nosso hospital, alertando para as mazelas que a equipe médica vem sofrendo recentemente, sobretudo quanto aos atrasos salariais”.

A Redação d’OSollo entrou em contato com a Assessoria de imprensa do HRDLEM, que nos enviou a seguinte resposta:

“O Instituto de Gestão e Humanização (IGH), que administra o Hospital Regional Deputado Luís Eduardo Magalhães (HRDLEM), em Porto Seguro, vem a público esclarecer que o pagamento da remuneração dos serviços médicos ainda não foi efetuado devido a um déficit financeiro no contrato com a Secretaria de Saúde da Bahia, em decorrência dos gastos extras desde o início da Pandemia.
O IGH, visando honrar o comprometimento com o corpo clínico da Unidade, estava em tratativas diárias com a Sesab, que já autorizou o aditivo no contrato, e agora está no aguardo do repasse da Secretaria para a regularização dos pagamentos com os prestadores de serviços médicos.”

Entramos em contato com a Comunicação do Governo do Estado da Bahia (SecomBA), a fim de ter um posicionamento sobre o assunto, mas, até o fechamento desta matéria, não tínhamos resposta.

O espaço segue aberto.

Comente!

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui